Frei Betto: “O impeachment a Dilma é um golpe branco, à semelhança dos que ocorreram recentemente em Honduras e no Paraguai.”

Debate sobre redemocratização, em 1986. Compõem a mesa, entre outros, o sociólogo Florestan Fernandes e o professor Octavio Ianni. Frei Betto é o terceiro da direita para a esquerda. Foto: Helio Carlos Mello
Debate sobre redemocratização, em 1986. Compõem a mesa, entre outros, o sociólogo Florestan Fernandes e o professor Octavio Ianni. Frei Betto é o terceiro da direita para a esquerda. Foto: Helio Carlos Mello
Debate sobre redemocratização, em 1986. Compõem a mesa, entre outros, o sociólogo Florestan Fernandes e o professor Octavio Ianni. Frei Betto é o terceiro da direita para a esquerda. Foto: Helio Carlos Mello

Carlos Alberto Libânio Christo, o teólogo Frei Betto, 72, tem uma longa trajetória de luta pela democracia. Atuou em movimentos estudantis, pastorais e sociais. Foi preso político por duas vezes durante a ditadura militar: em 1964, por 15 dias, e entre 1969 e 1973. Do cárcere nasceram os livros “Cartas da Prisão” (Agir), “Diário de Fernando – nos cárceres da ditadura militar brasileira” (Rocco) e “Batismo de Sangue” (Rocco), pelo qual recebeu o Prêmio Jabuti.

Foi torturado. Testemunhou as inúmeras torturas sofridas por Frei Tito ao nunca revelar aos militares o que sabia.

Esteve ao lado de Carlos Marighella na guerrilha armada. Enfrentou os carrascos do regime militar e ajudou centenas de brasileiros a fugirem da morte anunciada. Estudou jornalismo, filosofia, antropologia e teologia.

É ferrenho defensor dos direitos sociais e humanos e por esses trabalhos recebeu inúmeros prêmios.

Diz que o contrário do medo é a fé, e não a coragem. E assim resistiu à repressão.

Foi coordenador da ANAMPOS (Articulação Nacional de Movimentos Populares e Sindicais), participou da fundação da CUT (Central Única dos Trabalhadores) e da CMP (Central de Movimentos Populares).

Conheceu o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva em 1977, na greve dos operários no ABC paulista, quando Lula era líder sindical.

Em 2003 e 2004 atuou como assessor especial do presidente Lula e como coordenador de Mobilização Social do Programa Fome Zero.

Autor de 60 livros, Frei Betto sabe exatamente o que é um golpe.

frei-2Leia, a seguir, a entrevista:

Jornalistas Livres – O senhor criticou a opção dos governos de Lula e de Dilma em “assegurar a governabilidade pelo mercado e pelo Congresso”. A crise que o governo está vivendo hoje nasce dessa mudança de posicionamento a partir de 2002?

Frei Betto – Não só, mas também, pois o governo do PT não se empenhou em criar bases de sustentabilidade do projeto de desenvolvimento do Brasil. Adotou-se uma política econômica artificial, ancorada no consumo e na especulação, e não da produção e na valorização do mercado interno. Agora chegou a fatura…

JL – O PT está pagando o preço por ter se distanciado dos movimento sociais? De que maneira isso se reflete no atual momento?

frei-1

FB – O PT preferiu ficar de braços dados com o empresariado e não com os movimentos sociais, que sequer conseguiram suportar a participação no Conselhão. E em 13 anos de governo nenhuma reforma de estrutura, nem a política, nem a agrária, nem a tributária, para citar as mais urgentes. Hoje, os movimentos sociais já não têm suficiente capacidade de mobilização para, nas ruas, superar a da direita que se manifesta pelo impeachment. E a esquerda não aprende: insiste em convocar manifestações em dia de semana, enquanto a direita, mais hábil, o faz no domingo.

JL – No final do ano passado o senhor previu que a pressão pelo impeachment iria paralisar o país, opor as pessoas e comprometer a economia. Estamos vivendo exatamente esse ciclo. Na sua opinião, há uma ameaça real à democracia?

FB – Evidente. O impeachment a Dilma é um golpe branco, à semelhança dos que ocorreram recentemente em Honduras e no Paraguai. As instituições brasileiras parecem entrar em colapso. A Câmara e o Senado presididos por dois acusados de corrupção, o Judiciário dependurado em um juiz de 1a. instância (Sérgio Moro), a Polícia Federal reclamando porque o ministro da Justiça ameaça puni-la caso prossigam os vazamentos seletivos.

JL – Por que o impeachment seria um golpe?

FB – Primeiro, porque a direita não dorme. E não se conforma de não estar comodamente instalada no Palácio do Planalto. Segundo, porque o PT não cuidou de politizar a nação em 13 anos de governo. Daí o debate político ter decaído do racional para o emocional. Haja ódio…

JL – Como o senhor vê a abordagem da Justiça ao ex-presidente Lula no âmbito da Lava Jato?

“Ninguém está acima da lei, mas um homem que presidiu o Brasil por dois mandatos, tirou 45 milhões de pessoas da miséria e saiu do governo com mais de 80% de aprovação merecia mais respeito. A medida coercitiva que o prendeu em casa e o levou ao aeroporto de Congonhas (onde havia um jatinho da FAB pronto para transportá-lo a Curitiba…) foi típica da ditadura. Lula não era um foragido da Justiça.” Frei Betto

JL – O que o senhor pensa sobre Lula ser ministro?

FB – Acho um equívoco. Não é Lula ou qualquer pessoa que salvará o governo, é o próprio governo que enfia o pescoço na corda ao promover esse ajuste fiscal que penaliza sobretudo os mais pobres, não fazer a auditoria da dívida pública nem realizar reformas estruturais. Lula é uma “reserva” eleitoral do PT para 2018. Agora, se Dilma afundar ele afunda junto… E nada indica que ela esteja disposta a dar um cavalo de pau na economia.

JL – O senhor conhece o Lula há muitos anos. O que o senhor acha da conduta ética e moral do ex-presidente?

FB – Lula é uma pessoa íntegra.

JL – Que parcela da população brasileira mais perde com o processo de impeachment e de criminalização do presidente Lula?

FB – Os mais pobres, pois apesar das contradições e dos equívocos, nenhum governo de nossa história republicana investiu tanto no social como os de Lula.

JL – Como o senhor vê a atuação da mídia tradicional no momento atual?

FB – Ela está onde sempre esteve: confirmando o que disse o velho Marx no século XIX, de que o modo de pensar de uma sociedade é o modo de pensar da classe que domina essa sociedade. Não há imprensa neutra, há imprensa que se julga neutra, imparcial, livre. Mas como também disse Marx, ninguém é juiz de si mesmo.

COMENTÁRIOS

POSTS RELACIONADOS

Capa

Os inimigos do governo Lula

Os inimigos do governo Lula já fazem perceptível sua presença dentro e fora do governo, instalados em posições importantes.