FORA TEMER dá o tom no Carnaval de Belo Horizonte

Quanto mais cresce e esquenta, mais politizado vai ficando o Carnaval de rua de Belo Horizonte. Uma pequena amostra foi dada nesse sábado, 18, quando a tradicional Banda Mole abriu a folia, arrastando milhares de pessoas pelo Centro da cidade. Não faltaram faixas, abadás, camisas, carimbos e adesivos estampados com o ‘Fora Temer’.
Esse material deve-se ao trabalho dos militantes do Alvorada, um criativo grupo de whatsapp que se reúne presencialmente todas as semanas para programar iniciativas de agitação política de esquerda em BH. Como vem acontecendo desde o ano passado, na manhã do sábado o grupo armou a Tenda da Democracia na Praça 7, o centro nervoso da cidade, para vender abadás, camisas e panos de chão ou de prato da linha ‘Fora Temer’, além de distribuir de graça adesivos temáticos bastante procurados pelos passantes.
“Os abadás estão fazendo o maior sucesso”, contou ao Jornalistas Livres o engenheiro agrônomo Evandro Ferreira. “Fizemos 400 abadás Diretas Já, mas acabou logo. Agora fizemos 400 com os dizeres ‘Me beija que não sou golpista’ e mais 200 camisas ‘Fora Temer’, além das faixas ‘Fora Temer’ e de 60 mil adesivos só para o Carnaval, aproveitando a saída da Banda Mole e do bloco Mama na Vaca, do bairro Santo Antônio. Tudo que a gente faz esgota logo, a saída é muito grande”, contou Evandro sem esconder o entusiasmo.
Vendida praticamente a preço de custo, uma edição do material paga a outra. As camisas são vendidas por R$ 20, enquanto os abadás custam R$ 15 e os panos de chão valem R$ 5. E dentro do espírito ecológico do ‘nada se perde, tudo se transforma’, o grupo descobriu um macete que transforma os abadás em bolsas tiracolo. Interessados por este material é o que não falta. Neste ano foram criados mais de 40 blocos de rua em Belo Horizonte. Apenas no agitado bairro de Santa Tereza, onde surgiu o Clube da Esquina, nasceram 36 novos grupos carnavalescos. Dá de tud, de o Bloco Volta Belchior ao Sem Prisões, este, “um bloco de carnaval abolicionista, anti-prisional, antiproibicionista, anti-manicomial e antipunitivista”. Haja abadás!
E em Belo Horizonte não tem esse negócio de comercializar a folia. Tudo é 0800.
“O importante é manter o moral da tropa”, diz com ar de ironia um dos integrantes do Alvorada que prefere se identificar apenas como “Du das Faixas”. “Fizemos adesivos exclusivos para 15 blocos. Cada um recebe mil. Até quarta-feira teremos mais 100 mil adesivos. A receptividade entre a moçada é muito boa, todo mundo quer os adesivos. O curioso é que o ‘Lula 18’ tem sido o mais procurado. Outra novidade de baixo custo que tem feito muito sucesso são os carimbos ‘Fora Temer’ que distribuímos para os blocos. Todo mundo quer ser carimbado”, conta Du das Faixas, que faz questão de dizer que não pertence a nenhum partido político, apesar de ser um incansável militante.
Segundo Du, o grupo Alvorada comprou 100 metros de PNT, um tecido sintético, para fazer faixas ‘Fora Temer’ a serem distribuídas para os blocos e para serem afixadas junto aos hotéis, numa tentativa de envolver os turistas no clima. O grupo já decidiu que o mesmo material será usado no Dia da Mulher, 8 de março.
Bordadeiras
Quem também participa dos eventos do grupo Alvorada na Tenda da Democracia é o coletivo de mulheres bordadeiras conhecido como “Linhas do Horizonte”. “Somos 84 bordadeiras. Desde o ano passado a gente vinha tocando o projeto ‘Viva Dona Marisa (Letícia)’ para homenageá-la em Belo Horizonte, pela sua fibra e coragem. Ela seria convidada para tomar um café com a gente, mas, infelizmente, houve o problema de saúde dela e sua morte”, contou a bordadeira Leda Leonel.
“Cada uma de nós fez um bordado numa pequena peça quadrada e agora as 84 peças serão costuradas para serem entregues ao Lula em Belo Horizonte. Se não der pra ele vir aqui a gente vai lá em São Paulo fazer a entrega”, explicou Leda. Pelo visto, será uma homenagem inesquecível. Dá para prever que dificilmente o Lula conseguirá conter as lágrimas.

COMENTÁRIOS

POSTS RELACIONADOS