Folha, um jornal a serviço da Casa Grande

William Waack: Demitido da Globo e protagonista de debate na Folha

 

O jornal “Folha de S.Paulo” promoverá no próximo dia 19 um debate importantíssimo. Tema: “A Guerra das Palavras: Os Limites do Politicamente Correto”. Trata-se de uma das atividades comemorativas do lançamento da enésima edição do chamado “Manual de Redação”, editado pela “Folha” desde a década de 1980.

Sim, é uma coisa velha, datada.

Sim, é pura pretensão querer normatizar como se deve redigir nesses tempos polifônicos.

Sim, a “Folha” está atrasada 40 anos. O tempo passou na janela da alameda Barão de Limeira (onde fica a sede do jornal), e só os editores minions de lá não viram.

A justa reivindicação por respeito, vocalizada por grupos discriminados e marginalizados, como as mulheres, os negros, os índios, LGBTQs, deficientes físicos e mentais, dependentes químicos e moradores das periferias, entre outros, deu origem a um questionamento mais do que legítimo da língua portuguesa, por ela espelhar a estrutura mental racista, sexista e excludente urdida pelos detentores do poder no Brasil desde sempre.

Baniram-se dos círculos esclarecidos expressões, palavras e piadas humilhantes e depreciativas, que serviam apenas para corroborar a condição subalternizada das pessoas não brancas, não heterossexuais, não cisgêneras. Para corroborar a condição subalternizada de todo mundo que não se encaixa no padrão machista e consumista das campanhas publicitárias de cartões de crédito, aquele de gente que “precisar, não precisa”, mas compra.

Para a “Folha”, essa exigência de respeito é apenas uma “Guerra das Palavras”, como se fossem significantes sem significados que deitam raízes em séculos de exclusão, em séculos de machismo e escravidão.

Nossa, coitados dos minions que não podem mais falar que é “coisa de Preto” uma buzinada inesperada durante uma gravação… (Como todos sabem, foi por causa dessa frasezinha que William Waack, ô dó!, perdeu seu empregão no “Jornal da Globo”).

Mais incrível do que tudo, entretanto é o fato de que a mesa chamada “A Guerra das Palavras: Os Limites do Politicamente Correto” terá como debatedores: William Waack (o próprio!), Sergio Rodrigues (Folha) e Carlos Maranhão (ex-Abril), todos sob a batuta do mediador Vinicius Mota (também da Folha).

São todos homens, todos brancos, todos auto-declarados heterossexuais, todos de classe média. Não ocorreu à Folha convidar os negros ofendidos pelo ex-âncora do “Jornal da Globo”. Nem falemos sobre os demais grupos marginalizados e excluídos.

Seria uma piada infame, se não fosse mais da mesma trágica exclusão que estrutura o capitalismo brasileiro. A “Folha” é o jornal da Casa Grande. Não é por nada que lhe desabam a circulação, o alcance e o leitorado. Bem feito!

Desaba a circulação dos jornais (circulação impressa e assinaturas digitais)

Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Jornalistas Livres

COMENTÁRIOS

3 respostas

  1. A Folha de São Paulo não tem isenção. Não demonstra pensamento crítico. Não está no Brasil real. Faz parte desta muvuca triste chamada de país.

  2. É muito triste e vergonhoso ver “grandes” publicações assumindo, de fato, que não estão comprometidas com a informação, o desenvolvimento e muito menos com a Educação no nosso país. Hoje, só não vê quem não quer, ou quem é mal intencionado.

POSTS RELACIONADOS

Uma crise fabricada

Lula será candidato forte à reeleição em 2026. E seus indicados terão maioria folgada no Banco Central de janeiro de 2025 em diante. Os adversários estão inquietos e fabricam crises.