Estudante da UNB luta para viver com a família na Casa do Estudante Universitário

Estudante de Direito em Brasília e portadora de necessidades especiais, Millena Silva aguarda a decisão da UNB sobre a permanência na Universidade

Foto: Leonardo Milano | Jornalistas Livres

Por Leonardo Milano, com fotos de Leonardo Milano, especial para os Jornalistas Livres

Foto: Leonardo Milano | Jornalistas Livres

Millena Silva, 19 anos, era moradora de Ceilândia (DF). Mulher, jovem, e portadora de necessidades especiais devido a uma paralisia cerebral, ela é cadeirante e dependente da mãe. Contrariando as estatísticas de de um país pouco amigável com pessoas como Milena, ela realizou o sonho de entrar na Faculdade de Direito da Universidade de Brasília (UNB). O objetivo: virar delegada da Polícia Civil do DF.

Millena Silva vive na moradia da universidade com Jocília, sua mãe, e a irmã mais nova, de 11 anos. Elas dividem o espaço, adaptado para portadores de necessidades especiais, com mais 4 pessoas. No entanto, UnB permite apenas um acompanhante por estudante na Casa do Estudante Universitário – CEU – e por isso notificou Millena por infringir as regras do imóvel universitário.

Diante do impasse, e Jocília e Millena cogitaram abandonar a universidade, pois é inviável o deslocamento de Ceilândia até a UNB diariamente, e os aluguéis próximos ao Plano Piloto ultrapassam os valores que a família pode pagar. A Universidade alega estar sensível ao caso, e chegou a oferecer um valor para que a família possa procurar um local para morar, porém este é abaixo do valor dos aluguéis na região. Diante da impossibilidade de pagar um aluguél, elas se vêem expulsas da Universidade, e o sonho de Millena fica mais distante, pois Jocília não irá escolher entre as duas filhas.

A história comoveu os alunos da Faculdade de Direito e de Movimentos Estudantis, que resolveram se mobilizar, chamar a imprensa e questionar a Reitoria da UnB. Na tarde desta terça-feira (28), Millena, sua mãe, dezenas de estudantes e jornalistas marcharam pelo campus Darcy Ribeiro, e ocuparam a reitoria da UnB. Neste mesmo dia, a UnB anunciou que irá rever seu posicionamento, e que permitirá a permanência de Millena, sua mãe e irmã na CEU. Agora, aguarda-se o cumprimento da promessa. A comoção tomou conta dos estudantes e da família de Millena, que cantaram pelos corredores da universidade : “a nossa luta vale a pena, é de todo nós..”

Foto: Leonardo Milano | Jornalistas Livres

*Editado por Agatha Azevedo 

Categorias
Movimento EstudantilMulheres com deficiênciasolidariedadeUniversidades públicas
Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta