ENTRE COBRAS E BURROS

Estão subindo o morro para restabelecer a ordem, há uma guerra, dizem muitos. Qual ordem se impõe às desordens? Urutu avança nas ruas do Rio de Janeiro e há 40 anos mandavam todos calarem a boca na PUC de São Paulo. Tudo contribui para perder o sono na noite que insiste, tal cobra embaixo da cama ou na mesa da sessão em parlamentos.

O financiamento das campanhas caiu na graça das propostas de Jucá e Caiado; o Eunício há de resolver. Ah, creem que somos todos burros, animal valente e forte, mas burro.

Para a denúncia contra Temer são necessários 342 votos, para matar a cobra e mostrar o pau.

Fico pensando, pensando, vendo como lucrar algo nesses tempos de esquizofrenia na política e surrealismo nas manchetes. Jogar no Bicho, jogar na cobra e no burro?  Quebrar a banca ou ler o I Ching em dia assim?  Decido fazer é tudo.

3 mais 4 mais 2 dá 9, é burro. Vou jogar, vai dar na cabeça, é certo. Consulto o I Ching também, antigo hábito. 9 é O PODER DE DOMAR DO PEQUENO, indica também o burro, pois uma carroça não pode avançar quando os raios se soltam da roda, diz no hexagrama.

Enfim, sexta-feira foi um dia vão, pois deu tigre na cabeça e os urutus seguem nas ruas. Dia vão.

Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Jornalistas Livres

COMENTÁRIOS

POSTS RELACIONADOS

Fontes, Falas e Alas

A disputa de narrativas e da opinião pública entre a ala militar, a ala ideológica e as dissidências pela direita e extrema direita no Brasil

Na medula do verbo

Na medula do verbo

Hoje, o Café com Muriçoca traz a recomendação de leitura da obra “Na medula do verbo”, de Michel Yakini-Iman.