Desembargador censura Marcelo D2 porque chamou Doria de “assassino”

Patrocinado por PMs, o massacre de Paraisópolis é responsabilidade de Doria, que deu a licença para a polícia matar: "Assassino!"

Marcelo D2, indignado com o massacre de Paraisópolis e censurado pela Justiça de São Paulo
Marcelo D2, indignado com o massacre de Paraisópolis e censurado pela Justiça de São Paulo
Doria dá licença para polícia matar - na Folha de S.Paulo

Doria dá licença para polícia matar – na Folha de S.Paulo

Como é que se deve chamar alguém que “libera” 100 mil homens fortemente armados, que estão sob suas ordens, para matar?

“Assassino” seria um bom jeito de denominar o sujeito que, por acaso, é o governador de São Paulo, João Doria Jr.

Pois Doria é o chefe da maior polícia do Brasil, a terceira maior Instituição Militar da América Latina. Foi ele quem prometeu que, como governador, a polícia atiraria “para matar”. E a corporação está seguindo a ordem:

Nos 6 primeiros meses do governo Doria, a PM matou a cada 10 horas e atingiu o maior número em 16 anos. Entre janeiro e junho deste ano, os policiais militares em serviço mataram 358 pessoas em supostos casos de resistência. Os PMs em folga mataram 56.

“Assassino”. Foi assim que o rapper Marcelo D2 designou Doria, em um post indignado, depois de ler tuit do governador lamentando “profundamente” as nove mortes ocorridas em Paraisópolis, decorrentes de uma ação criminosa e terrorista de policiais militares.

Lamentando “profundamente” como, se foi Doria que deu a licença para a PM matar?

Daí, chega um desembargador do Tribunal de Justiça de São Paulo chamado Luiz Antônio de Godoy, obviamente um homem branco, e resolve tomar uma providência contra todo esse absurdo. O que ele faz?

Este slideshow necessita de JavaScript.

Não, ele não exigiu que João Doria engolisse a frase assassina…

Não, ele não repudiou o comportamento dos PMs e cobrou punições exemplares…

Não, ele não se solidarizou às famílias das vítimas, quase crianças, Marcos Paulo Oliveira dos Santos, 16 anos, Denys Henrique Quirino da Silva, 16 anos, Dennys Guilherme dos Santos Franca, 16 anos, Gustavo Cruz Xavier, 14 anos, Gabriel Rogério de Moraes, 20 anos, Mateus dos Santos Costa, 23 anos, Bruno Gabriel dos Santos, 22 anos, Eduardo Silva, 21 anos e Luara Victoria de Oliveira, 18 anos. (Nunca os esqueceremos!)

A grande providência que o desembargador Luiz Antônio de Godoy tomou foi censurar o post do rapper Marcelo D2. Talvez ele ache que assim se dissolva a responsabilidade de Doria na matança de jovens pretos e periféricos. Luiz Antônio de Godoy mandou D2 apagar o tuit.

Ingênuo!

Hoje, centenas de milhares de pessoas em São Paulo sabem o que Doria fez. Sabem!

E continuarão a dizer a palavra que a indignação faz explodir no peito, junto aos gritos de angústia, desespero e dor: ASSASSINO!

O tuit censurado pelo desembargador Luiz Antonio de Godoy, do TJ-SP

O tuit censurado pelo desembargador Luiz Antonio de Godoy, do TJ-SP

Leia Mais sobre o Massacre de Paraisópolis:

ELISA LUCINDA: a morumbização do olhar sobre a tragédia de Paraisópolis

Família de garoto morto em Paraisópolis entrará em campo com o Corinthians

Os becos do massacre em Paraisópolis

SASP denuncia ação criminosa da PM em Paraisópolis

Categorias
ChacinaDestaquesDireitos HumanosGeralJusticaNegras e NegrosracismoSegurança PúblicaViolência Policial
Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

AfrikaansArabicChinese (Simplified)EnglishFrenchGermanItalianJapaneseKoreanPortugueseRussianSpanish

Relacionado com