Deputado bolsonarista pede ao Ministério da Justiça envio de tropas federais ao IFRN

O deputado federal Girão Monteiro (PSL) encaminhou ofício ao Ministério da Justiça um dia após policiais militares agredirem estudantes no IFRN
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Por Rafael Duarte, da agência Saiba Mais

O deputado federal general Girão (PSL) encaminhou ofício ao Ministério da Justiça pedindo o envio de tropas federais ao Rio Grande do Norte para “prover a segurança das instalações do IFRN em Natal”.

O pedido foi feito um dia depois de policiais militares agredirem estudantes da instituição durante um protesto dos alunos contra a intervenção do MEC no processo eleitoral do IF, além de cobrar um calendário para a retomada de aulas remotas.

A PM foi acionada pelo interventor Josué Moreira, nomeado em 20 de abril pelo ex-ministro Abraham Weintraub atropeando o resultado das eleições realizadas em dezembro de 2019 que escolheu o professor de Educação Física José Arnóbio de Araújo como reitor.

Com o pedido, Girão estica a corda e agrava a tensão entre a gestão provisória e a comunidade acadêmica. O deputado classifica o protesto como “vandalismo” e insinua, sem apresentar provas, que “atos de vandalismo que têm sido praticados por alunos e, provavelmente, por elementos infiltrados nas instalações do IFRN”.

Segundo a justificativa apresentada pelo deputado, “atos de vandalismo têm colocado em risco não somente o patrimônio público como também as pessoas que ali trabalham com destaque para o Reitor Pro Tempore” .

Josué Moreira foi indicado por Girão para o cargo. Filiado ao PSL, o interventor disputou a prefeitura de Mossoró pela sigla.

Esse não é o primeiro episódio antidemocrático que envolve o deputado federal Girão Monteiro. Ele é investigado pelo Supremo Tribunal Federal por financiar manifestações antidemocráticas e anticonstitucionais. Em junho, Girão e mais 11 deputados federais, todos ligados ao presidente Jair Bolsonaro, tiveram o sigilo bancário quebrado por determinação do relator Alexandre de Moraes nesse inquérito.

COMENTÁRIOS

POSTS RELACIONADOS

>