BRASÍLIA: mulheres jovens na luta contra o golpe!

Foto: Renato Cortez

 

Um fato que chama a atenção no Acampamento Nacional pela Democracia e Contra o Golpe é a grande quantidade de jovens que circulam pelo local. Vindos de todo o Brasil, trouxeram consigo a disposição e ousadia típicas da idade.

Gabriela Guedes, do Levante Popular da Juventude, chegou hoje à Brasília. Vinda de Sorocaba/SP, ela é mais uma a se somar à população que não pára de crescer no acampamento montado ao lado do Ginásio Nilson Nelson. E Gabriela está animada: disse que a turma do Levante veio para fazer muita agitação e propaganda, envolvendo não somente a juventude, mas todos os residentes dessa mini cidade montada em defesa da Democracia.

Como mulher, Gabriela se diz duplamente ofendida com os ataques à Presidenta Dilma Rousseff. Para ela, aproveitam a condição dela ser uma mulher para destilar todo o machismo retraído com a emancipação feminina dos últimos anos. Ainda em relação à misoginia, a jovem teme que a crise econômica pela qual o mundo passa – “uma crise estrutural do capitalismo, diga-se” – faça com que muitas mulheres tenham seu espaço no mercado de trabalho diminuído.

O clima fascista manifestado pelos apoiadores do golpe assusta Gabriela. Ela nos conta que dias atrás estava em um ônibus em Sorocaba, vestida com uma camiseta do Levante Popular da Juventude, quando foi hostilizada por um homem que também estava na condução. Além de ser chamada de “comunista”, a jovem ainda teve que escutar o agressor proferir palavras como “vadia e vagabunda”. Ela acredita que o clima de ódio que tentam impor ao País despertou o fascismo na sociedade brasileira. “Estava adormecido, mas se sentiram encorajados a mostrar a cara com os últimos movimentos da oposição, notadamente antidemocrática e alheia às necessidades do povo”.

‪#‎NãoVaiTerGolpe‬

 

COMENTÁRIOS

POSTS RELACIONADOS

Réus do 8 de janeiro: quando julgaremos os peixes grandes?

Os julgamentos e as penas são capítulos importantíssimos para uma conclusão didática do atentado que sofremos em 8 de janeiro de 2023, quando milhares de pessoas de todo o país se organizaram para atentar contra a democracia. Mas e os peixes realmente grandes?

Catástrofe nuclear?

Estamos diante da maior ameaça de guerra nuclear desde a crise dos mísseis soviéticos em Cuba, no início dos anos 1960.