*ALERTA! Prisões abusivas de lideranças dos movimentos populares

Prisões abusivas de lideranças dos movimentos populares
Prisões abusivas de lideranças dos movimentos populares

NOTA OFICIAL

Na manhã desta segunda-feira, fomos surpreendidos com mais um grave episódio de criminalização dos movimentos sociais e da luta do povo. Uma operação do DEIC da Polícia Civil, por ordem do juiz Marco Antônio Martins Vargas, cumpriu determinação de prisão temporária de nove lideranças do movimento Sem-teto, de diversas ocupações do centro de São Paulo. Além da prisão temporária, foram também determinadas 17 buscas e apreensões de lideranças das ocupações. Os advogados não encontraram nenhum motivo ou prova para essa operação, tendo em vista que se fundamenta em declarações frágeis para as referidas prisões e conduções coercitivas. Repudiamos mais esse episódio de criminalização da luta popular e exigimos a imediata libertação dos presos políticos dos movimentos populares. Estamos articulando um comitê em defesa dos presos políticos. Junte-se a nós contra a criminalização dos movimentos sociais. Quem ocupa não tem culpa.

Central de Movimentos Populares (CMP)
Frente de Luta por Moradia (FLM)
União dos Movimentos de Moradia (UMM)

Acompanhe nos Jornalistas Livres a cobertura completa. No link, abaixo, assista as entrevistas ao vivo na porta do Deic:

COMENTÁRIOS

POSTS RELACIONADOS

Sentença de morte joga famílias na rua!

Sentença de morte e não de reintegração joga famílias na rua!

Impossível ficar indiferente diante dessas cenas que retrata a forma desumana que 100 famílias foram jogadas na rua, durante reintegração do imóvel que ocupavam na Rua Augusta 400

Marcha em São Paulo: tem gente com fome

Um ato com pessoas anônimas como Vânia, três filhos, desempregada e moradora da ocupação do MTST do Grajaú. Com ela, o osso contra a fome, que ela decidiu carregar até a fome acabar.

A boiada vai passando: onda de despejo no Brasil

A câmara dos deputados aprovou recentemente a suspensão dos despejos no Brasil até fim da pandemia. O projeto foi para o Senado Federal e depois irá para a sanção presidencial. No ano passado, o presidente Jair Bolsonaro vetou a suspensão dos despejos e com isto jogou milhares de pessoas na rua, além de aumentar a miséria e a pobreza.