A sopa do Dia da Independência, por Dirce Waltrick do Amarante

Como presidente, era um ótimo paraquedista, e, num dia 7 de setembro, decidiu que surgiria do céu, como um anjo do filme “O anjo exterminador”, de Buñuel (o presidente não sabia quem era Buñuel e não tinha visto o filme, mas gostava do título e achava que era algo sobre guerra e extermínio de adversários políticos). E lá se foi o presidente em queda livre...
León Ferrari

Por Dirce Waltrick do Amarante*

Como presidente, era um ótimo paraquedista, e, num dia 7 de setembro, decidiu que surgiria do céu, como um anjo do filme “O anjo exterminador”, de Buñuel (o presidente não sabia quem era Buñuel e não tinha visto o filme, mas gostava do título e achava que era algo sobre guerra e extermínio de adversários políticos).

E lá se foi o presidente em queda livre…

Naquele 7 de setembro, não aterrissou em Brasília nem em nenhum outro lugar do Brasil.

Uns dizem que foi parar numa ilha do pacífico e foi comido por canibais, que fizeram com ele uma bela sopa: a sopa do falso presidente, cuja receita é semelhante à da sopa da falsa tartaruga.

Antes de acrescentarem a iguaria brasileira ao caldo, limparam bem suas finas tripas e descartaram a cabeça, tal como se faz com um camarão.

Apesar desse cuidado, depois do banquete, todos morreram intoxicados.

Moral da história (do Brasil): Nem tudo se come.      

*Chefe de cozinha.

COMENTÁRIOS

POSTS RELACIONADOS