A Cultura de Campinas que existe e resiste

Arraial Afro-Julino, Comunidade Jongo Dito Ribeiro

A cidade de Campinas (SP) possui grandes representantes da Cultura Popular, mestres griôs , grupos e comunidades que preservam as manifestações culturais. O calendário das manifestações culturais popular é marcado por acontecimentos durante o ano. Os Arraiais são um deles. No mês de julho, duas festas de dois grupos e espaços culturais importantes acontecem: O Arraial Afro Julino, da Comunidade Jongo Dito Ribeiro (Fazenda Roseira), e o Arraial do Urucungus do Grupo Urucungos, Puitas e Quijengues. Os Jornalistas Livres Campinas estiveram nas duas festas e conversaram com Alessandra Ribeiro, da Comunidade Jongo Dito Ribeiro, e Alceu Estevam, do Grupo Urucungus, Puitas e Quinjegues.

Arraial Afro Julino
Arraial Afro Julino

O Arraial Afro Julino, da Comunidade Jongo Dito Ribeiro, acontece na Casa de Cultura Fazenda Roseira sempre no segundo sábado de julho. O Arraial Afro Julino é uma grande festa organizada pela sociedade civil em Campinas. Cerca de 8 mil pessoas participam e transitam pelas 18 horas de festa na qual há alegria e comunhão. Há barracas de artesanato afro, e de alimentação com os tradicionais quitutes juninos, além de muita culinária cultural, como acarajé. Contando também vários palcos que alternam as apresentações artísticas e a área de discotecagem, a programação é intensa. O público assiste à roda de jongo, samba, maracatu, rap e a outras manifestações culturais afro-brasileiras.

Arraial Afro Julino
Arraial Afro Julino

Neste ano (2016), em sua 13º edição, Alessandra Ribeiro, neta de Dito Ribeiro e líder da Comunidade Jongo Dito Ribeiro, conversou com os Jornalistas Livres de Campinas e falou sobre a festa.
“A festa é importante para nós, para nossos parceiros, essas parcerias que fortalecem e engrandecem. A economia é solidária, composta por vários parceiros e grupos, cada um com sua barraca. Isso traz empoderamento a todos nós. A cada ano vamos nos aprimorando quanto à organização, e mostramos a nós que podemos organizar tranquilamente uma grande festa para a população. A nossa festa ao longo do tempo vêm crescendo cada vez mais. Pessoas de outras localidades e países vêm ao nosso Arraial. Nesse ano, tivemos pessoas de oito países diferentes.”
Alessandra ainda se expressa sobre as tradições; “Ao evocarmos São Benedito (o santo que foi um trabalhador na cozinha da nobreza europeia) para também ser homenageado, reverenciamos a nossa ancestralidade. Demonstramos que o povo negro conhece e reconhece sua cultura e que sabe preservá-la e mantê-la.”

Arraial Afro Julino - Alessandra Ribeiro - Comunidade Dito Ribeiro
Arraial Afro Julino – Alessandra Ribeiro – Comunidade Dito Ribeiro

Para quem ainda não conhece, a Casa de Cultura Fazenda Roseira é uma conquista do movimento negro e do movimento popular sendo uma referência da cultura afro-brasileira na cidade de Campinas. O casarão data do final do século XIX, transformado em equipamento público em 2007 por conta do loteamento da área da antiga Fazenda, a qual, à beira da destruição e depredação, foi ocupada pela Comunidade Jongo Dito Ribeiro e outros movimentos sociais e religiosos de matrizes africanas. Desde então, o casarão promove diversas ações culturais e sociais abertas à população.

O Arraial do Urucungus do Grupo Urucungos, Puitas e Quijengues, que acontece na sede do grupo, “É uma grande confraternização. É uma celebração entre amigos e parceiros”, afirmou Alceu Estevam, que lidera o grupo junto com sua esposa Rosa.

Arraial Urucungus
Arraial Urucungus

O grupo Grupo Urucungos, Puitas e Quijengues, fundado há 28 anos pela folclorista Raquel Trindade, é muito respeitado e uma referência para os grupos da cidade, uma vez que grande parte dos artistas de cultura popular já passaram ou foram influenciados pelo “Urucungos”. Segundo Alceu, “Nós não temos nenhuma ficha de inscrição. Quem quiser vir é bem vindo. Se a pessoa sair e voltar depois de um tempo, ela é aceita e participa da mesma forma. Existe total liberdade de escolha”.
O Arraial do Urucungus tem como tradição o ritual de “erguer o mastro aos Santos”, que é feito pelo grupo feminino “As Caixeiras das Nascentes”, abrindo a festa. Todas as pessoas presentes podem seguir o costume junino de “fazer um pedido ao santo, dando um nó na fita do mastro”.

Arraial Urucungus
Arraial Urucungus
Arraial Urucungus
Arraial Urucungus

A programação artística é variada e constante. Durante o encerramento de uma apresentação já se inicia outra, logo na sequência. Alceu Estevam fala a respeito da relação do “Urucungus” com os outros grupos e sobre o sortimento de atrações: “Nós temos muitos parceiros. As parcerias foram construídas e fortalecidas ao longo desses 28 anos de existência. É uma relação “de bigode”, ou seja: Nós vamos à Roseira (Casa de Cultura), e o Jongo vem aqui. As Caixeiras sempre abrem a nossa festa. Temos parceiros, como o Ibaô (Ponto de Cultura), o Maracatucá (Grupo) e a Tainã (Casa de Cultura), que sempre nos apoiam, como acontece durante o Carnaval.”
O público participa ativamente das apresentações, já que a interação entre as pessoas é algo típico da cultura popular. As rodas são constantes e os grupos abrem a participação popular, convidando as pessoas a se envolverem.

Arraial Urucungus
Arraial Urucungus

Alceu ainda comenta: “É sempre importante termos consciência quanto ao valor da cultura de matriz africana e da cultura popular. Durante um tempo, elas ficaram esquecidas na nossa cidade e, de uns tempos para cá, os grupos (coletivos) estão retomado o movimento, apropriando-se e ocupando os espaços. Sempre na luta e resistência”.

Mais imagens das festas

Reportagem e fotos: Fabiana Ribeiro

Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Jornalistas Livres

COMENTÁRIOS

POSTS RELACIONADOS

Lula e Xi: por nova ordem mundial

Coincidência vai além do terceiro mandato e é vista em discurso que desenha uma nova configuração da forças politicas no mundo, onde o protagonismo pode