40 mil mineiros foram às ruas na capital no dia nacional de luta

Não parecia uma manifestação, pela alegria que se via. Parecia uma grande festa, com pessoas felizes a cantar e dançar. Mas os gritos de ordem de “Fora Temer”, “Volta...

Fotografia: Mídia Ninja

Não parecia uma manifestação, pela alegria que se via. Parecia uma grande festa, com pessoas felizes a cantar e dançar. Mas os gritos de ordem de “Fora Temer”, “Volta Querida”, “Golpistas Não Passarão” e vários outros, denunciavam o que acontecia ali: um grande ato com a união das forças dos movimentos sociais. Não é pouca coisa.

40 mil pessoas saíram às ruas, convocadas pelas Frentes Brasil Popular e Povo Sem Medo, formadas por diversos movimentos sociais e populares.

Fotografia: Sô Fotocoletivo

Fotografia: Sô Fotocoletivo

Fotografia: Sô Fotocoletivo

Fotografia: Sô Fotocoletivo

Ainda às 6 da manhã, integrantes do Movimento Dos Atingidos Por Barragens – MAB e do Movimento dos Trabalhadores Sem Terra – MST, vindos do interior, já anunciavam a luta: cerca de 300 pessoas marcharam por ruas da cidade, passaram pelas ocupações urbanas na capital, e fecharam simbolicamente a entrada do prédio do Ministério da Fazenda em BH. Também houve mobilização em frente ao prédio da Caixa Econômica Federal.

Fotografia: Sô Fotocoletivo

Fotografia: Sô Fotocoletivo

“Quem vai barrar o golpe somos nós”. Disse uma jovem em cima do caminhão da CUT, posicionado na Avenida João Pinheiro desde às 5 da tarde. Enquanto os manifestantes aguardavam a descida da Frente Povo Sem Medo, que se concentrava um pouco acima dali, na Praça da Liberdade, gritos eram entoados. Eles tinham que ser altos e fortes, afinal o objetivo é tirar um presidente do poder, que não recebeu voto para exercer o cargo, sendo portanto um usurpador. Isso também não é pouca coisa.

A música que os manifestantes tanto cantaram para Eduardo Cunha, tem servido para Michel Temer também: “O Temer vai ganhar uma passagem pra sair desse lugar. Não é de carro nem de trem nem de avião, é algemado no camburão. Eta Temer ladrão!”

Fotografia: Isis Medeiros / Jornalistas Livres

Fotografia: Isis Medeiros / Jornalistas Livres

Fotografia: Isis Medeiros / Jornalistas Livres

Fotografia: Isis Medeiros / Jornalistas Livres

Indígenas Xakriabás saíram do Norte do Estado para engrossar o grande ato unificado Fora Temer: eles são contra a PEC 215 e também contra o governo interino. Mulheres iam fantasiadas de bruxas carregando uma grande faixa: Mexeu com uma mexeu com todas ! Elas querem varrer” o Temer, por isso saíram fantasiadas de bruxas. Novamente uma diversidade nos rostos dos manifestantes: de crianças a adultos.

“Latifúndiarios e empresários não precisam de aposentadoria. Quem sai prejudicado somos nós, trabalhadores. Isso a Rede Globo não vai te contar”, falava de cima do caminhão Beatriz Cerqueira, presidente da CUT -MG. Não vai contar mesmo. Aliás, vai! Por exemplo, sobre o ato, a organização estimou a presença de 40 mil pessoas, e o telejornal da Globo Minas afirmou que havia 700 manifestantes. Ainda bem que imagens podem falar por si. Muitos internautas criticaram o número dado pela emissora de televisão, que nem ousa aparecer por terra, observa do helicóptero .

Fotografia: Maxwell Vilela / Jornalistas Livres

Fotografia: Maxwell Vilela / Jornalistas Livres

Após a chegada da Frente Povo Sem Medo na Praça Afonso Arinos, todos iniciaram juntos o grande percurso até a Praça da Estação. Pelas ruas, os manifestantes cantavam e denunciavam o golpe em curso no país. O ato foi encerrado com balões vermelhos lançados ao céu, apresentações artísticas, bateria do Levante Popular da Juventude, e claro, um bom papo do jeito que os mineiros gostam.

Fotografia: Mídia Ninja

Fotografia: Mídia Ninja

Categorias
Belo HorizonteCidadesComunicaçãoCulturaGeralGolpeManifestaçõesMinas GeraisMovimentos SociaisMSTPolítica
Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta