Witzel promove sangue na favela e silencia estudantes

Estudantes carregavam placas com a imagem do governador segurando um fuzil e confeccionaram uma faixa branca com a frase "Witzel assassino e torturador", escrita em vermelho.

Enquanto o governador do Rio de Já Rio, Wilson Witzel fazia uma prova de qualificação na Universidade Federal Fluminense, a Polícia Militar do Rio de Janeiro bloqueou uma porta de emergência para que os estudantes não pudessem se manifestar.

A banca de qualificação seria realizada no campus do Gragoatá, no Instituto de Ciências Humanas e Filosofia mas o local foi trocado às pressas pressas pra evitar protestos. A medida não funcionou e alguns estudantes chegaram a tempo na UFF.

Nos últimos 5 dias, pelo menos seis jovens morrem vítimas de balas perdidas em ações violentas da PM do Rio de Janeiro em comunidades.

Estudantes carregavam placas com a imagem do governador segurando um fuzil e confeccionaram uma faixa branca com a frase “Witzel assassino e torturador”, escrita em vermelho.

Presidenta do Sindicato dos Professores do Estado de São Paulo (Apeoesp), a deputada estadual Professora Bebel, se manifestou contra a invasão da PM na UFF. “Ironicamente e para completar, Witzel é daqueles que quer privatizar o ensino público, mas enquanto isso não acontece faz muito bom proveito das universidades”, disse.

Categorias
DestaquesGeralRio de Janeiro
Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta