Venda da CESP aumentará a conta de energia dos paulistas

 

A Usina Engenheiro Sérgio Motta, ou Usina Porto Primavera

O tucano Alckmin e sua ganância por dinheiro querem privatizar a Companhia Energética de São Paulo (CESP), uma das instituições de energia mais importantes do Brasil. O “psdbista” envolvido em vários escândalos de corrupção (como o da merenda, por exemplo) adora tirar as empresas do povo paulista e oferecer a preço de banana para seus amigos empresários.

A linha 5-Lilás do Metrô e Sabesp (Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo) também estão na mira.

Para priorizar os interesses econômicos de grandes empresários e prejudicar ainda mais a sociedade, a venda da CESP aumentará o custo de energia no estado de São Paulo (assim como a privatização da Eletrobras afetará todo o Brasil), e a sociedade pagará a conta mais cara do que já é. Isso sem mencionar a precarização de todos os trabalhadores do setor de energia elétrica.

De acordo com o edital de venda publicado no site do Ministério da Fazenda, o governo do estado de São Paulo possui 95% das ações ordinárias da CESP, essas com direito a voto, e 40,55% do capital da entidade, que correspondem a R$ 5.975.433.454,43¹. Os acionistas são Eletrobras, HSBC , Squadra Investimentos, UBS AG, outros 4,79%²

Usina Paraibuna foi concluída em 78 e está localizada em Paraibuna

A companhia será entregue a preço de banana para empresas estrangeiras (provavelmente para o governo chinês), por uma bagatela de R$16,80 por ação, totalizando R$ 1,96 bilhões de reais, em um leilão que acontecerá no dia 26 de setembro.

Um dos fatos que está atrapalhando a venda é o curto prazo de concessão da usina de Porto Primavera, que será de 2018 a 2028, mas como para tudo tem um “jeitinho”, o estado de SP tenta um acordo com o governo federal para estender o período por 30 anos, pois os possíveis compradores gostariam de ter mais tempo para desfrutar da hidroelétrica. O possível acordo atraiu especuladores e fez com que os valores das ações subissem em 8%.

Os eletricitários sabem que a privatização é mais desemprego e mais apagão.

Em entrevista ao portal de notícias Agência Sindical, o presidente do Sindicato dos Eletricitários de São Paulo, Eduardo Annunciato, menciona as dificuldades que os trabalhadores enfrentarão caso a estatal seja vendida. “Quando privatizam, logo tentam cortar o pagamento dos benefícios conquistados ao longo do tempo. Também trocam parte do corpo qualificado por terceirizados que ganham menos, não têm qualificação, são inexperientes e não dominam detalhes técnicos do setor ou específicos de locais e regiões. Perdem os trabalhadores e perde a sociedade”. O sindicalista também menciona os riscos financeiros da comercialização da estatal. “Se ocorrer a privatização, a consequência imediata será a precarização, como já ocorreu aqui em São Paulo. Os novos gestores enxugam os quadros e demitem. Na sequência, terceirizam, contratando gente inexperiente e sem conhecimento específico do setor.”

Em nota Annunciato escreveu “Quando o Governo Estadual entrega a CESP na bacia das almas aos interesses privados, deixa 10% da capacidade geradora do país na mão de chinês. Todos sabem que a CTG³ adquiriu nos últimos meses uma parcela significativa do parque gerador do Brasil.”

Breve histórico

A CESP possui três usinas hidroelétricas, Porto Primavera localizada no Rio Paraná, Usina Paraibuna, e Usina de Jaguari em São José dos Campos. Juntas somam 1,65 gigawatt em capacidade instalada.

A companhia foi criada em 1966 com a fusão de 11 empresas do setor elétrico e permaneceu como a maior geradora de energia elétrica do país por 30 anos. A primeira privatização ocorreu em 1996 quando o estado de São Paulo promoveu o processo de privatização do setor de energia. Em meados de 1997 a companhia Paulista de Força e Luz (CPFL) comprou ações da CESP. Em 1998 criaram a subsidiária Elektro e a leiloaram no mesmo ano. Em 2001 o governo do estado interrompeu a privatização, mas em 2016 retomou as vendas, graças ao Conselho Diretor do Programa Estadual de Desestatização.

Fontes: 1 https://portal.fazenda.sp.gov.br/Noticias/Documents/Edital%20CESP%20-%20RETIFICADO.PDF

2- http://www.cesp.com.br/portalCesp/portal.nsf/V03.02/Empresa_Abertura?OpenDocument&Menu=5%20-%[email protected]@002#

http://www.agenciasindical.com.br/lermais_materias.php?cd_materias=7424#.WZ5-n_uzB7Q.whatsapp

3- CTG: A China Three Gorges Corporation (CTG) é um grupo de energia focado no desenvolvimento e operação de hidrelétricas de grande porte. http://ctgbr.com.br/a-empresa/

COMENTÁRIOS

POSTS RELACIONADOS

NÃO À PRIVATIZAÇÃO DO METRÔ BH CONTAGEM

PELA AMPLIAÇÃO DO METRÔ PÚBLICO, COM PARTICIPAÇÃO POPULAR E TARIFA SOCIAL! O Bloco Esperando o Metrô, reafirma sua posição contrária à privatização da Companhia Brasileira