Reforma da Previdência afetará mais regiões Norte e Nordeste do país

Esther Bemerguy de Albuquerque*

O projeto da coalizão de forças reacionárias, no governo desde o golpe contra a presidenta Dilma Roussef, em 2016, é antidemocrático e já demonstrou em abundância que os seus interesses não são nacionais, e nem se alinham aos anseios da classe trabalhadora. Esse programa se revela nos elevados índices de desemprego, no aumento da violência, na perda de soberania e na desconstrução das políticas sociais definidas na Constituição Federal, de 1988, fortalecidas e ampliadas durante os governos Lula e Dilma.

A destruição da seguridade social, já em curso, afetará de forma profunda e desigual a população brasileira, pois essa política tem papel destacado na distribuição de renda entre pessoas e entre regiões, como se poderá perceber em algumas das graves consequências da Reforma da Previdência para o Norte (NO) e o Nordeste (NE) que serão aqui abordadas.

As razões apresentadas para a reforma do Regime Geral de Previdência Social (RGPS) e dos Regimes Próprios de Previdência Social (RPPS), entre elas as mudanças demográficas e o suposto déficit previdenciário, não justificam a sua aprovação sem um amplo debate nacional, pois a esses regimes vincula-se a proteção de cerca de 60 milhões de trabalhadores.

Medidas como as mudanças nas regras de aposentadoria do RPPS, em 2003, a criação da Fundação de Previdência Complementar do Servidor Público Federal (FUNPRESP), em 2013, aliadas às novas regras do RGPS, aprovadas em 2015 – soma da idade mais o tempo de contribuição, com pontuações escalonadas até 2026 – dão fôlego a esses Regimes.

O relatório da Comissão Parlamentar de Inquérito da Previdência, aprovado por unanimidade, em 2017, compreende a Previdência como parte da Seguridade Social e demonstra que esse sistema foi superavitário sempre que a economia cresceu e gerou emprego, especialmente entre 2004 e 2013. Apenas as visões ultraliberais, que valorizam o ajuste fiscal acima dos preceitos constitucionais que regem a seguridade, isolam a Previdência do leito natural das proteções sociais para justificar a sua narrativa.

Se já não havia razões para a aprovação da proposta encaminhada por Temer, muito menos há para a aceitação da Proposta de Emenda Constitucional (PEC) 6/2019, enviada por Bolsonaro, que radicaliza ao desconstitucionalizar a Previdência, incluir a capitalização, alterar as regras das aposentadorias rurais, desvincular o Benefício de Prestação Continuada (BPC) do salário mínimo, entre outras medidas desfavoráveis para a proteção social dos brasileiros.

A proposta de capitalização incluída nessa PEC rompe com o princípio da solidariedade, com o pacto social expresso na contribuição tripartite (Estado, empresa e trabalhador) e também com o pacto federativo implícito na previdência pública. Dados, de 2016, mostram que os benefícios sociais recebidos pela população, no NO e no NE, são, respectivamente, três e quatro vezes o valor arrecadado pelo INSS nessas regiões.

Durante reunião que aconteceu em março, governadores do Nordeste criticaram a reforma da Previdência

A diferença entre os benefícios emitidos e os valores arrecadados é de R$13,9 bilhões anuais (NO), e de R$82,84 bilhões (NE). Esse fluxo de rendas, em comparação com o PIB regional, corresponde a 4% no NO e a 9% no NE, em alguns estados é igual ou supera 10% do PIB como no Piauí (14%), Maranhão e Paraíba (11%) e Alagoas (10%). Os benefícios previdenciários não ultrapassam um salário mínimo em 84% dos casos, no NO, e em 85%, no NE, porém, apesar disso, são portadores de dinâmica econômica expressiva no contexto regional.

Cerca de 64% dos municípios do NO e do NE arrecadam, em termos proporcionais, entre 0 e 1% do valor total dos benefícios emitidos pelo INSS. A arrecadação previdenciária desses municípios foi, em 2016, de R$64 milhões e o valor dos benefícios pagos pelo INSS foi de R$27 bilhões, sendo que 72% referiam-se a aposentadorias rurais.

A capitalização promete um prêmio futuro, determinado por variáveis de risco que afetarão o mercado financeiro no período de capitalização da contribuição individual realizada no presente. Em 2017, apenas 7,8% (NE) e 7,7% (NO) da população possuia rendimento mensal superior a dois salários mínimos, o que deve levar à inviabilidade de uma aposentadoria futura da maioria da população pelo sistema de capitalização, condenando-os, no máximo, à percepção de um benefício básico, como o BPC, já bastante precarizado pelas novas condições propostas por Bolsonaro.

Além da inescapável crise social, as economias do NO e do NE perderão recursos importantes, pois com o sistema de capitalização cessarão as transferências interregionais na medida que os contribuintes deixarem o fundo público e migrarem ao novo sistema. O resultado será o aprofundamento das disparidades regionais no Brasil, uma das maiores do mundo, onde a região NO participa com 5,4% do PIB nacional e o NE com 14,3%, enquanto o sudeste fica com 53,2%.

As desigualdades também se manifestam no diferencial entre as expectativas de vida, a maior está em Santa Catarina (79,4) e a menor no Maranhão (70,9), todos os estados do NO e do NE possuem indicadores inferiores à média nacional (76) e é nesses estados, proporcionalmente, onde ocorrem a maioria das aposentadorias por idade. Essa assimetria leva a diferenças no tempo de usufruto da aposentadoria, pois a idade mínima é a mesma em todo o Brasil. Assim como, as novas regras propostas para o BPC levarão a grandes iniquidades, por exemplo, em média, um idoso pobre no Maranhão gozaria o benefício de um salário mínimo por apenas 9 meses, enquanto um idoso nas mesmas condições, em Santa Catarina, receberia esse valor por 9 anos e quatro meses.

 

Para a massa de trabalhadores que ficará fora do sistema assim desenhado, já foram criados os instrumentos de regulação social que visam conter a organização sindical e a livre reivindicação dos direitos trabalhistas. Instrumentos como a Lei da Terceirização (13.429/17); a nova Lei Trabalhista (13.467/17); o impedimento ao desconto sindical em folha pelas empresas (DEC 9.735/19) e a carteira de trabalho verde e amarela que torna opcional o respeito à Consolidação das Leis do Trabalho (CLT). Esse ciclo se fecha com a criminalização dos sindicatos e dos movimentos sociais e na ampliação da isenção de responsabilidade policial na morte de civis quando movidos por medo, surpresa ou violenta emoção, propostas do pacote apresentado por Moro.

À esse programa de precarização de direitos, hostil a tudo que constitui o estatuto do trabalho, destituído das proteções sociais, só resta a desumanização dos excluídos, decifrada nos oitenta tiros que ainda ressoam anunciando a nova política.

* É economista e especialista em teoria econômica. Membro da Coordenação Nacional Provisória da Associação Brasileiras de Economistas pela Democracia (ABED). Foi Secretária da Secretaria Nacional de Planejamento e Investimentos Estratégicos/MPOG, entre 2012 e 2014; Secretária do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social /PR, entre 2004 e 2011; Secretária de Finanças da Prefeitura Municipal de Belém (PA), entre 1996 a 2002.

Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Jornalistas Livres

COMENTÁRIOS

POSTS RELACIONADOS

Lula acerta na economia?

Até agora o governo Lula 3 se configura como independente e assertivo na área econômica. Pode-se dizer que fosse economista, o Lula atual seria um desenvolvimentista, keynesiano e heterodoxo.

Recorde em SP: 48 mil pessoas vivem nas ruas

Um levantamento realizado por pesquisadores da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) mostra que 48.261 pessoas viviam nas ruas em São Paulo no ano de 2022, sendo o maior já registrado na capital paulista. No Brasil são quase 192 mil pessoas em situação de rua registradas no CadÚnico.