Prefeitura de Uberlândia censura mostra de trabalhos escolares

NOTA DE REPÚDIO CONTRA A CENSURA DA PREFEITURA À FEIRA CIÊNCIA VIVA

Nós do Levante Popular da Juventude viemos por meio desta nota, expressar nossa indignação e divulgar a todos o ato de censura sofrido pela feira de Ciências, “Ciência Viva” que estaria programada para acontecer hoje na UFU por meio de stands no bloco 5RB. O descontentamento de pais de alunos gerou uma reclamação a vereadores que fez com que a prefeitura censurasse dois trabalhos que falavam sobre desigualdade de gênero na escola provindos das escolas municipais. Ocasionando posteriormente a censura de dezessete stands que seriam apresentados entre hoje e amanhã na UFU dos mais diversos temas. Os pais, professores e alunos das escolas envolvidas estão indignados com a atitude antidemocrática e autoritária que sem diálogo algum vetou um ano de produção e trabalho dos alunos para que pudesse apresentar seus resultados nessa feira hoje.
Entendemos que isso fere a liberdade e autonomia da escola, dos estudantes de serem agentes da sua própria história e de sua educação como um todo. Isso fere o Estado Democrático de Direito em que vivemos e só nos mostra e comprova a cada dia que nosso país caminha para um processo de veto ao diálogo, autoritarismo e descaso com a educação pública e de qualidade. Não aceitaremos esse retrocesso, essa imposição sem diálogo e toda forma de vetar os debates que são de extrema necessidade em uma sociedade que oprime maiorias e que é protagonizada pelas minorias.
O debate de gênero abordaria as desigualdades que ocorrem nas escolas hoje, percebidas, analisadas e enfrentadas pelos próprios alunos que entendidos como pessoas protagonistas de sua própria educação realizaram os trabalhos a fim de solucionar problemas recorrentes do tipo em suas escolas. A importância desse debate se dá na ciência que habita nele, na identificação dos problemas sociais a fim de repará-los e avançarmos na igualdade social em uma sociedade mais justa e melhor para todos.
A juventude não se calará. Permaneceremos em luta e em apoio àqueles que sofreram diretamente esse veto entendendo que todos sofremos juntos as consequências dessas atitudes autoritárias.
Juventude que ousa lutar constrói o poder popular!!

Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Jornalistas Livres

COMENTÁRIOS

POSTS RELACIONADOS

Recorde em SP: 48 mil pessoas vivem nas ruas

Um levantamento realizado por pesquisadores da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) mostra que 48.261 pessoas viviam nas ruas em São Paulo no ano de 2022, sendo o maior já registrado na capital paulista. No Brasil são quase 192 mil pessoas em situação de rua registradas no CadÚnico.

Hoje Maria Marighella é a entrevistada no Programa JORNALISTAS LIVRES ENTREVISTA. Atriz, mãe, militante e produtora cultural. Herdeira de uma família de tradição militante. Maria