Editora faz vaquinha para produzir 20 livros de jovens jornalistas

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

A Casa Flutuante, especializada em livros-reportagem e acadêmicos, abriu um financiamento público no Catarse para conseguir atravessar o período de pandemia e, de quebra, ajudar 20 novos autores a publicar gratuitamente, em formato e-book, bons trabalhos jornalísticos. Por meio de assinaturas mensais entre R$ 5 e R$ 50 (mas também pode doar mais, claro), a editora conseguirá manter seus custos nesse complicado momento da economia nacional e divulgar a marca. Mas não é só isso: jovens jornalistas e estudantes de jornalismo poderão se inscrever na campanha para produzirem profissionalmente livros com seus trabalhos de conclusão de curso de ou para grandes reportagens que merecem uma perenidade maior do que sites ou veículos que podem fechar com a recessão.

Não haverá custos para os jovens jornalistas, que receberão assessoria para projetos personalizados com revisão, diagramação, capa, registo ISBN, ficha catalográfica e um local na estante virtual da editora para a distribuição e divulgação. Além disso, receberão ainda cinco exemplares impressos de sua obra e dois arquivos digitais (um do e-book e um para impressão de novas cópias pelo próprio autor). Os assinantes, por sua vez, poderão receber desde a menção do nome nos títulos que ajudou a publicar, no site da editora e em ações de divulgação (se quiser), como também 20 títulos em e-book por mês em seu e-mail ou nos e-mails que indicar (boa dica para professores que quiserem distribuir as obras da editora a seus alunos).

No mercado desde 2016, a editora já lançou mais de 150 títulos com trabalhos de conclusão de curso e grandes reportagens sobre temas tão abrangentes quanto ética no jornalismo, feminismo, questões LGBTI+, política, refugiados, educação, entre outros, que podem ser adquiridos, baixados ou lidos gratuitamente em sua livraria digital. Entre as obras, está o livro Jornalismo Independente do Analógico ao Digital – 15 Anos da MediaQuatro, dos colaboradores dos Jornalistas Livres Vinicius Souza e Maria Eugênia Sá e prefácio de Laura Capriglione, também cofundadora do coletivo. O livro, aliás, está em promoção por R$ 12,00!

COMENTÁRIOS

POSTS RELACIONADOS

O fim da educação pública em Mato Grosso?

Depois do governo anunciar o fechamento de três escolas na periferia da região metropolitana de Cuiabá e de notícias de fechamento de mais 297 escolas, Coletivo de professores de Mato Grosso denuncia o desmonte autoritário da educação no estado

Governo de Mato Grosso quer fechar escolas periféricas

Secretaria de educação alega “reorganização” para o fechamento de ao menos três unidades com décadas de funcionamento em Várzea Grande, região metropolitana de Cuiabá. População e ex-alunos estão mobilizados para impedir esse absurdo num momento em que ninguém sabe como será o próximo ano letivo por conta da Covid

>