Por que torcer pela seleção brasileira? Porque o golpe não pode roubar nossas paixões.

Não podemos deixar os paneleiros nos roubarem essa paixão, não podemos lhes dar o monopólio da cor amarela.

Decoração feita por moradores em rua do Bixiga, bairro de São Paulo.

O país vive uma crise política sem precedentes. A presidência foi aviltada por um corrupto notório que, não se explica porquê, é blindado das acusações comprovadas que lhe são feitas há quase dois anos. A economia não se recuperou. O desemprego não caiu. As garantias do estado democrático de direito estão longe de serem realidade. O candidato que o povo quer ver na presidência está preso e os esforços dos golpistas para impedir sua candidatura são flagrantes.

E vai começar a Copa do Mundo. Cujo nome oficial é “Copa do Mundo da FIFA”, que vai ser transmitida pela Rede Globo, maior apoiadora de todos os nosso golpes, que vai ser disputada pela Seleção Brasileira de Futebol, liderada por Neymar, acusado de sonegação de impostos e que tirou foto com Aécio Neves, coordenada pela CBF, afogada na lama da corrupção e de denúncias internacionais, patrocinada pelo Itaú, que lucra com todas as nossas crises, e que veste a camisa amarela, da cor do pato, oficialmente adotada pelos paneleiros em seu surto coletivo de ignorância.

Eu sei de tudo isso.

Mas eu ando pela cidade e vejo bandeirolas verde e amarelas penduradas nas ruas, a bandeira do Brasil pintada no asfalto. Não foi Michel Temer que mandou pintar. Vejo o trabalhador no boteco na hora do almoço comentando animadamente os esquemas táticos, melhores atacantes, maiores perigos de cada equipe. Escuto sem querer no ponto de ônibus o pessoal mandando aquele audio do zap combinando o churrasco que vai fazer no dia 17 para assistir à estréia do Brasil.

Nada disso é motivo para pensar que essas pessoas estão deixando os seus problemas de lado, que estão se esquecendo da luta diária, dos embates políticos que precisam travar. Quem não gosta de futebol tem todo o direito de ignorar o mundial, mas a conversa de que torcer pela seleção é prenúncio de alienação é mais velha que andar pra frente. A cada quatro anos a Copa do Mundo se transforma na origem de todo os males da população brasileira.

Não adianta, porque o povo brasileiro gosta de futebol. É uma paixão genuína e histórica, como o samba, como o carnaval. Nós já perdemos espaço político para o golpe, mas não podemos deixar os paneleiros nos roubarem essa paixão, não podemos lhes dar o monopólio da cor amarela. É muito arrogante e elitista achar que o povo brasileiro é incapaz de separar o desempenho da seleção do cenário político nacional. Que é incapaz de separar o belo gol de Neymar dos seus posicionamentos infelizes e das falcatruas dos seus contratos milionários. Não foram as vitórias de 58 e 62 que levaram ao golpe de 64, não foi a vitória de 70 que deu poder a Médici. Não foi a derrota honrosa de 82 que proporcionou a redemocratização. Não foi Romário que elegeu FHC em 94. Não foi Ronaldo que elegeu Lula em 2002.

No fundo, é comum a elite desacreditar o mundial porque na falsa preocupação com a alienação do povo está o desprezo pelos gostos populares. A frase mais repetida é aquela que diz “Enquanto você grita gol, o Brasil vai pro buraco!”. Pois é, o Brasil está realmente num caminho sombrio, mas ele continua nesse caminho sombrio enquanto você almoça, enquanto você aprecia uma cerveja artesanal, enquanto você lê Brecht, enquanto você faz psicanálise, enquanto você tira um tarô, enquanto você vai ao teatro, enquanto você ouve Beyoncée, enquanto você dança, enquanto você faz xixi. Nada disso desautoriza ninguém. Todo mundo tem direito aos seus divertimentos. Não tentem azedar a alegria do povo de estar junto e curtir a copa, até porque não vão conseguir, só vão azedar ainda mais a si próprios.

Então eu vou assistir os jogos do Brasil, torcendo muito. E continuo na luta. Porque a copa é a cada 4 anos, a luta é todo dia.

Videojornalista, editor de vídeo, eventualmente escreve.

Categorias
ArtigoCulturaensaioOpinião

Videojornalista, editor de vídeo, eventualmente escreve.
2 comentários:
  • Irineu Moreira Fernandes
    12 junho 2018 at 19:12
    Comente

    SSA, véspera de mais uma copa está….normal. Quase indiferente. Eu estou indiferente. Em casa todos estamos. Tb. faz meses (anos). Desde Nazaré Tedesco ou terá sido desde Carminha que não assisto mais TV. Ah! Que saudades de 1970.

  • All
    15 junho 2018 at 12:05
    Comente

    Tá explicado. O esporte mais popular tinha que ser execrado por quem odeia povo.

  • Deixe uma resposta

    AfrikaansArabicChinese (Simplified)EnglishFrenchGermanItalianJapaneseKoreanPortugueseRussianSpanish