Pelo fim da violência contra as mulheres, mas se quiser pode

Pelo fim da violência contra as mulheres, mas se quiser pode

Por Daiane Noves

_ Com licença senhor agressor, desculpa interromper essa surra que o senhor está aplicando nessa mulher que está caída no chão, é que eu sou do movimento feminista e preciso fazer umas perguntas antes de decidir ou não se eu vou defender esta mulher, tudo bem?
_ Claro, mas eu posso continuar batendo nela enquanto respondo?
_ Pode sim. Ainda não sabemos se ela mereceu ou não, vai que ela mereceu. Não queremos ser injustas.
_ Tá.
_ Essa mulher está sob efeito de substâncias psicoativas ilícitas?
_ Sim. Na verdade, sóbrio, sóbrio, ninguém aqui tá.
_ Entendo. Outra pergunta: ela é bolsonarista né?
_ É sim. Mas nessa galera aqui todos somos né, gata. Mito, B17!
_ Entendo. Soube também que ela estava com a arma da namorada anteriormente.
_ Sim. Mas a namorada já havia guardado. Com ela armada eu não estaria batendo né, senão ela atiraria em mim. Mas vou usar o fato de ela ter estado armada antes para legitimar isso aqui como defesa, saca?
_ Tem outras pessoas armadas aqui né?
_ Sim.
_ Mais uma pergunta: foi ela que começou?
_ A de mão ou a de boca? Pq eu tava humilhando ela mó cota, ela tava toda com raivinha, mexi com a mina dela também. Aí ela veio pra cima de mim. Olha o tamanho da s4p4t4o. É óbvio que eu ia arrebentar ela.
_ Mas sabendo disso, pq o senhor só não se defendeu ou segurou ela?
_ Ah, ela quer ser homem né, tem que apanhar que nem homem, pô.
_ Mas o senhor sabe que é uma mulher, com compleição física e força bem inferior que a sua. Vc sabia que ia sair ileso e ela arrebentada, não?
_ Claro. Mas eu quero mostrar pra morena lá que eu sou alfa tá ligado?
_ Mas se fosse um cara?
_ Se fosse um cara nem tinha mexido com a mina dele, pô. Mas como é uma mina, que ainda é s4p4t4o, e ainda fez uso de drogas, e ainda revidou as minha provocações vindo pra cima de mim? Acha que vou só conter ela? Vou arrebentar mesmo.
_ O senhor viu que ela já estava no chão?
_ Vi, eu sou bem forte, né?
_ Então pq o senhor continua batendo nela?
_ Pq é facião bater em mulher, nocaute certeiro. Quero dizer, mulher não, s4p4t4o.
_ Entendi. Mas a questão é que o senhor tá criando um problema ético para o feminismo, além desse monte de hematomas nela. Pq, veja bem: ela segue filosofia de direita e a gente já não gosta dela, ela não performa feminilidade e ainda fica agindo toda pá para performar masculinidade, já não nos parece como a vítima perfeita e cândida, fala mal do ativismo e tem um auto-ódio imenso, nenhum senso de classe. Dificil detectar misoginia e lesbofobia quando não é a vítima ideal, pô.
_ Ah, moça, faz assim então, se ninguém me segurar, eu continuo chutando ela aqui caída e mato logo. Ninguém liga pra lesbocídio, essas estatísticas nem saem. Resolvo o meu problema e o de vcs. Pode ser?
_ Pô, senhor agressor. Fechou. A gente muda o lema para ‘Pelo fim da violência contra as mulheres, mas se quiser pode.’
_ Ah, genial. Qualquer coisa, cê manda um ‘ela que lute’ ou um ‘bem-feito’ ou ‘sem tempo pra mina reaça’, mas acho que não vai precisar não. Ela mereceu, ela tava pedindo.
_ Verdade né. Desculpa atrapalhar o espancamento ae. Boa surra pro senhor.
_ Valeu. Ow, cê é uma “morena muito bonita”.
_ Que isso, não tá vendo meu namorado ali?
_ Ow, que vacilo, perde perdão lá pra ele. Cê falou que é feminista e eu já pensei que vc tbm namorava s4p4t4o, eca. Aí a gente não respeita não. E se vir cobrar a gente arrebenta, não quer ser homem?
_ Tá certo. Deixa só eu terminar a minha postagem aqui do “não sou obrigada a ter sororidade com reaça”, péra. Como é mesmo o novo lema que falei agora pouco?
_ Sei lá, era tipo ‘nada justifica um cara jantar uma mina no soco’…
_ Não, lembrei, era ‘Pelo fim da violência contra as mulheres, mas se quiser pode.’
_ Isso.
_ Desculpa incomodar a surra do senhor.
_ Que isso, tamo junto. B17.


 

Veja também: Não deve existir “eu avisei” pra vítima de lesbofobia

COMENTÁRIOS

POSTS RELACIONADOS

Bolsonaristas ameaçaram matar repórter dentro do Senado

“Encostaram uma arma na minha cintura, dizendo que eu ia morrer. Outro encostou em meu ouvido e disse que tinha outra arma nas minhas costas. Senti algo, como um pequeno cano. E não paravam de me xingar com diversos palavrões. Comecei a implorar pela minha vida”