Parlamentares expulsam estudantes na porrada em Brasília

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
O extermínio da juventude negra é inaceitável. Agora, o Parlamento brasileiro também fortalece a cultura do ódio. Nesta tarde, inúmeros movimentos que se reuniram na Câmara dos Deputados em Brasília foram expulsos e agredidos durante a sessão que tratava da redução da maioridade penal. Uma ativista permanece, até o encerramento desta matéria, em poder da autoridade policial.

O repúdio à proposta de redução da maioridade penal levou centenas de jovens ao Congresso. A proposta de reduzir de 18 para 16 anos a idade mínima para que uma pessoa seja punida criminalmente era debatida e a presença dos ativistas irritou deputados da bancada BBB (Bala, Boi, Bíblia).

Irritado, o deputado Alberto Fraga(DEM-DF) chegou a agredir uma militante da UBES (União Brasileira dos Estudantes Secundaristas) e a chama-la de ‘vadia’.

Os jovens foram expulsos da Casa do Povo à base de chutes, sprays de pimenta e gás pelos seguranças da casa com pleno apoio de parte dos parlamentares. É só cadeia, tiro, porrada e bomba o que a política tradicional tem a oferecer para a juventude? Mais giz e menos bala na Pátria Educadora. O fascismo ameaça nossa jovem democracia.

COMENTÁRIOS

POSTS RELACIONADOS

Fernando Padula

1) Chefe de gabinete da Secretaria de Educação do Estado de São Paulo em 2015, foi flagrado pelos Jornalistas Livres em uma reunião de governo,

O caso Fundeb e o oportunismo liberal-conservador

Ontem vimos mais um exemplo de oportunismo do campo liberal-conservador no Congresso brasileiro, desta vez, no âmbito do financiamento da educação. O Fundeb, fundo de recursos públicos utilizado como ferramenta de distribuição para financiamento das escolas públicas em todo Brasil, foi ontem usurpado pela base do governo. Em suma, na proposição de lei necessária para regulamentar a Emenda Constitucional 108, relativa ao novo formato do Fundo que passa a ter caráter permanente no país, os representantes dos liberais-conservadores venceram uma parte da batalha histórica sobre a destinação dos recursos públicos vinculados à educação.

Governo de Mato Grosso quer fechar escolas periféricas

Secretaria de educação alega “reorganização” para o fechamento de ao menos três unidades com décadas de funcionamento em Várzea Grande, região metropolitana de Cuiabá. População e ex-alunos estão mobilizados para impedir esse absurdo num momento em que ninguém sabe como será o próximo ano letivo por conta da Covid

>