Ninguém faz samba só porque prefere

na mão direita a rosa

Ninguém faz samba só porque prefere

ou traz na mão direita a rosa.

Guardo suas meias e seus sapatos.

Iracema, nesse chão tudo é perda de índio, poucas lembranças,

triste canto, fusão.

Morrem nas andanças de Macunaíma

tantos,

tanto Beth como Antunes,

Carvalho e Filho. A arte tão triste está, vazios nos campos, no palco,

descuidos no poder, cultura vacante. 

Infortúnio,

tinha cá pra mim que agora sim eu vivia enfim um grande amor – mentira.

Categorias
crônica