Nazistas do governo não se emendam

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Não se pode alegar que ninguém avisou. A expressão Brasil Acima de Tudo, usada em campanha e até hoje por membros do governo fascista que ocupa Brasília, foi claramente inspirada no primeiro verso de uma canção nacionalista alemã (Das Lied der Deutschen): Deutschland über alles, ou, Alemanha Acima de Tudo. A queda do Secretário de Cultura, Roberto Alvim, que plagiou o discurso do ministro da propaganda de Hitler, Joseph Goebbels (descoberta primeiro pelos Jornalistas Livres), não deveria deixar de pé qualquer dúvida remanescentes.

O fato é que esse governo não tem mesmo vergonha de se mostrar nazista e a Secretaria de Comunicação, do secretário Fábio Wajngarden que tem a própria empresa como cliente do governo, resolveu novamente, mais uma vez, abusar de frases tiradas do regime hitlerista. Desta vez, foi a infame ironia do letreiro acima dos portões do campo de extermínio de Auschwitz, na Polônia sob ocupação: Arbeit Macht Frei, ou O Trabalho Liberta.

Como era de se esperar, o secretário negou a intenção de invocar o nazismo na mensagem do governo, até pelo motivo dele próprio ser judeu. Mas o espírito fascista está tão entranhado neles, que isso não significa coisa alguma. Tanto é assim, que a Confederação Israelita do Brasil, como era de se esperar, repudiou o uso da expressão:

Conib repudia o uso, pela Secretaria de Comunicação do governo federal, da mensagem “o trabalho liberta”

A Conib divulgou nota em repúdio ao uso, pela Secretaria de Comunicação do governo federal, da mensagem “o trabalho liberta” – a conhecida frase na entrada do campo de extermínio de Auschwitz.

“É conhecidíssima a relação desse mote com a mais infame instituição do Holocausto, o campo de extermínio de Auschwitz. Ali, no seu portão de entrada, uma placa com esses dizeres transmitia a mentira de que aquele era um local de trabalho e de possível liberdade – quando se tratava da principal fábrica de mortos do nazismo.

É lamentável ver, mais uma vez, questões caras ao judaísmo e à humanidade em geral serem banalizadas e emuladas, ofendendo a memória das vítimas e dos sobreviventes, em um momento já tão difícil do nosso país e do mundo”, disse, na nota, o presidente da Conib, Fernando Lottenberg.

Veja matéria original em: https://www.conib.org.br/conib-repudia-o-uso-pela-secretaria-de-comunicacao-do-governo-federal-da-mensagem-o-trabalho-liberta/

COMENTÁRIOS

POSTS RELACIONADOS

LULIZAÇÃO DE BOLSONARO?

Pra sobreviver, Bolsonaro precisará abandonar o bolsonarismo e ser um tantinho lulista, fazendo a tal comparação ter algum sentido

>