Não suba no foguete

 

A figura que acena não é a sombra que espreita. O guarda belo dá espaço a um batalhão de homens de preto, jovens simples vestindo ternos fora de medida. Segurança particular, devotos? Não sei, a tudo vigiam em dia de marcha para Jesus.

Brasília, espaço público por natureza. 

Logo cedo leio o recado: não sente no foguete.

Pairam tantas vontades e dúvidas no eixo da capital. Caminhões imensos rodam nas vias falando de Deus.

Outras marchas vão se formando, barreiras, trincheiras.

Sigo com os meus, plumas na mente, tinta na pele.

 

Imagens por Helio Carlos Mello

COMENTÁRIOS

POSTS RELACIONADOS

A marcha

Se fere nossa existência, nós dizemos resistência, afirmam milhares de bocas. Existe fome de cura, e o que vejo são mulheres, muitas mulheres que cantam

A primeira marcha

É como mexer em formigueiro, atiçar casa de abelha. É como abrir represa e inundar o campo,  há um canto, uma música de muitas línguas.

>