Não suba no foguete

.

A figura que acena não é a sombra que espreita. O guarda belo dá espaço a um batalhão de homens de preto, jovens simples vestindo ternos fora de medida. Segurança particular, devotos? Não sei, a tudo vigiam em dia de marcha para Jesus.

Brasília, espaço público por natureza. 

Logo cedo leio o recado: não sente no foguete.

Pairam tantas vontades e dúvidas no eixo da capital. Caminhões imensos rodam nas vias falando de Deus.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Outras marchas vão se formando, barreiras, trincheiras.

Sigo com os meus, plumas na mente, tinta na pele.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Imagens por Helio Carlos Mello

Categorias
crônica
Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

AfrikaansArabicChinese (Simplified)EnglishFrenchGermanItalianJapaneseKoreanPortugueseRussianSpanish

Relacionado com

  • Se ferir a existência, serão resistência

    Disseram ao mundo que estão em permanente processo de luta em defesa do território. Prometem: se fere a nossa existência, seremos resistência. É fato, afirmo e confirmo. Em cada...
  • A marcha

    Se fere nossa existência, nós dizemos resistência, afirmam milhares de bocas. Existe fome de cura, e o que vejo são mulheres, muitas mulheres que cantam e tanto falam enquanto...
  • A primeira marcha

    É como mexer em formigueiro, atiçar casa de abelha. É como abrir represa e inundar o campo,  há um canto, uma música de muitas línguas. Tudo se aviva numa...
  • Porque choram as mulheres indígenas

    A capital está úmida. Não chove há um bom tempo, mas está úmida. Creio ser o pranto das mulheres indígenas que a todos limpam. Tão diferentes em seus jeitos,...