Campinas adota o uso obrigatório de máscaras em estabelecimentos de serviços essenciais

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Campinas (SP) decretou hoje (15)  novas medidas de combate à pandemia de coronavírus. Entre as medidas que constam no decreto publicado pelo município está o uso obrigatório de máscaras de proteção.  Portanto, elas devem ser usadas em estabelecimentos considerados de serviço essencial e que estão abertos durante a quarentena. Além disso, os estabelecimentos podem impedir o atendimento aos clientes sem máscaras de proteção.

Também constam no decretos as seguintes resoluções:

  • Promover a demarcação no solo, nos espaços destinados às filas de clientes em atendimento, para que permaneçam em espera a uma distância mínima de um metro, uns dos outros;
  • Limitar o número de clientes em atendimento, evitando a aglomeração de pessoas, fixando a permanência de no máximo duas pessoas por grupo familiar e limitando o uso do espaço dos estabelecimentos, destinado ao atendimento de clientes, a no máximo uma pessoa para cada cinco metros quadrados;
  • Recomenda-se aos serviços essenciais a instalação de barreiras físicas de vidro, acrílico ou similar, de modo que sejam eficientes na prevenção do Coronavírus .

A ação tem o objetivo de impedir o avanço dos casos da Covid-19 no município. Segundo o Executivo, a fiscalização do uso das máscaras pelo próprio estabelecimento se estende também para clientes que estiverem nas filas.

O decreto entra em vigor nesta quarta-feira (15), exceto o item que dispõe sobre o impedimento de atender clientes sem máscaras. Neste caso, a medida só passa a valer depois de sete dias após a publicação.

Campinas no mapa da propagação da Covid-19 no estado de SP

Campinas foi considerada uma das cidades mais suscetíveis no estado de São Paulo – além da capital paulista –  para a propagação do novo coronavírus, segundo estudo de pesquisadores da Universidade Estadual Paulista (Unesp) dos campi de Presidente Prudente e Botucatu.

Os pesquisadores levaram em conta não apenas os números confirmados de pessoas infectadas, mas o risco de dispersão devido à influência econômica e social que a cidade exerce na região e a possibilidade de subnotificação.

O estudo também  incluí os municípios de Araçatuba, Araraquara, Bauru, Campinas, Marília, Piracicaba, Santos, Ribeirão Preto, São José do Rio Preto, São José dos Campos, Sorocaba e Votuporanga.

Campinas totaliza 138 registros de coronavírus, com 5 óbitos confirmados, 1.130 casos em investigação.

COMENTÁRIOS

POSTS RELACIONADOS

>