MUSEU NACIONAL: esse incêndio tem nome e sobrenome: Michel Temer

120 milhões de itens, alguns deles de milhares de anos de idade, foram transformados em cinzas na noite de hoje

O Museu Nacional do RJ arde em chamas há mais de duas horas. Seu acervo de mais de 20 milhões de itens não existe mais. São milhares de anos de História do Planeta, não só do Brasil. O acervo era usado pra estudos de geologia, antropologia biológica, paleontologia.

O descontrole do fogo é total. Não há água, os bombeiros trabalham com UMA escada magiro e estão impotentes diante da tragédia.

O fóssil de Luzia, o mais antigo ser humano encontrado no Brasil, estava guardado em uma sala do Museu Nacional do Rio de Janeiro. A natureza preservou Luzia por 11 mil anos. O descaso com a ciência e a memória nacional transformaram seus restos em cinzas hoje.

Mídia democrática, plural, em rede, pela diversidade e defesa implacável dos direitos humanos.

Categorias
Culturamemória e JustiçaPolítica

Mídia democrática, plural, em rede, pela diversidade e defesa implacável dos direitos humanos.
Um comentário
  • Ricardo Wilson Cruz
    3 setembro 2018 at 13:50
    Comente

    A tragédia do Museu Nacional é o retrato acabado do Brasil. Um projeto português nas Américas desenhado para não dar certo; apenas uma colônia para que “nobres” europeus se locupletassem às burras. E aí está, um “país” que privilegia um idiota chamado Neymar em detrimento de mentes geniais perdidas nos recônditos nacionais à espera de que alguma autoridade idiota os reconheça e prestigie.

  • Deixe uma resposta

    AfrikaansArabicChinese (Simplified)EnglishFrenchGermanItalianJapaneseKoreanPortugueseRussianSpanish