Minas não é acidente

.

O drama da Vila Socorro, na cidade de Barão de Cocais, aos pés do caminho da lama que ameaça, é o drama de todo brasileiro comum; poderemos todos sucumbir quando a terra tremer.

Minas lembra um país corroído por ratos.

Vivi alguns anos nas montanhas de Minas, tive meu filho nos altos picos, ar fresco, água boa, pedra dura.

De repente, a boniteza das Geraes virou sinônimo de acidente, de descaso, catástrofe, sujeira. Tantas lavras, há séculos, e seu povo continua simples, pobre, em volta da cata ao ouro, ferro, pedras. Aqueles que são removidos e alertados sobre o caminho que a lama fará, pouco ou nada possuem. As cachoeiras que trazem na alma, as galinhas do terreiro, a horta e os pés de flores ao lado da casa, nada disso caberá na mala da fuga, na real balbúrdia que tornou-se viver entre montanhas.

Quem ganhou com isso, pergunto, valeu a pena?

Ainda discutimos nossas minas, enquanto o mundo fala de genes e naves. 

E além das cidades, dessa gente toda que habita os cantos, as curvas dos morros, há também os rios, que vão avermelhando-se com o ferro das montanhas. Além de Minas Gerais, tantos Estados guardam seus segredos escondidos por aí, perigos contidos, sorrateiros, calados.

O planeta azul, suas águas claras, tudo vai tingindo-se de rubro na conquista dos homens. Fica aquela vergonha na cara da gente, um acanhamento, diante da insanidade dos que guiam a história e seus negócios. E a mineração mal começou a caminhar no Brasil, há tantos planos, desejos, projetos.

Minas Gerais nos joga na cara os erros nossos de cada dia, e mesmo assim insistimos abrir, usar, vender. Criamos problemas pensando em riqueza. Um dia seremos uma tela no computador, cheia de espaços vazios pontuados com um triângulo vermelho onde fora rio, montanha, mina ou nascente.

Categorias
crônica