Diário do Bolso: o mestre e o governo da morte

- Claro! Ontem mesmo, na minha live semanal, falei contra as máscaras. Disse que um estudo alemão – pega bem dizer que o estudo veio da Alemanha – mostrou que a máscara nas crianças causa dor de cabeça, dificuldade de concentração, vertigem e fadiga. - Usando as crianças para fazer chantagem emocional? Maravilhoso! E no dia do pico de mortes! Nem eu pensaria nisso. Você é meu orgulho.

Por José Roberto Torero* – Ontem foi um grande dia, mestre.

– Por quê? Conte-me tudo.

– Batemos o recorde: 1.584 num só dia. Isso dá seis Brumadinhos.

– Num só dia? Excelente!

– Também foi o recorde na média móvel: 1.129. O pior dia de toda a pandemia.

– Maravilhoso! E o isolamento social?

– Está nos piores dias desde o começo da coisa toda. Estacionou ali pelos 30% Isso é praticamente o normal. Já chegou a 62%. Mas o pessoal ficou de saco cheio e desistiu.

– E não estão vendo a relação entre as mortes e o fim do isolamento?

– Nadica de nada.

– As pessoas não são cegas, mas fecham os olhos para não me ver.

– Hein?

– Esquece. Fale-me dos testes?

– Deixei tudo apodrecer.

– A cloroquina?

– Pedi para fazerem mais, mestre.

– Não podemos desistir disso.

– Nunca!

– Mais alguma boa notícia?

– As aulas presenciais voltaram.

– No pior da peste?

– Pois é. E um monte de pais achou ótimo. É melhor morrer do que ficar com as crianças em casa.

– Vocês brasileiros são realmente curiosos…

– As UTIs estão cheias. Já, já vai ter um monte de colapso por aí.

– Não vejo a hora…

– São oito e meia.

– Foi modo de dizer. E o tal auxílio emergencial?

– Cortei. Senão o pessoal ia ficar em casa. Sem dinheiro, todo mundo tem que ir pra rua.

– Brilhante. Simplesmente brilhante. E as vacinas?

– Estou retardando o mais que dá. Comprei o menos possível e estou endurecendo para assinar contrato com a Pfizer.

– Ótimo. Tem que manter as vacinas longe. E as máscaras também.

– Claro! Ontem mesmo, na minha live semanal, falei contra as máscaras. Disse que um estudo alemão – pega bem dizer que o estudo veio da Alemanha – mostrou que a máscara nas crianças causa dor de cabeça, dificuldade de concentração, vertigem e fadiga.

– Usando as crianças para fazer chantagem emocional? Maravilhoso! E no dia do pico de mortes! Nem eu pensaria nisso. Você é meu orgulho.

– Obrigado, mestre.

– Quer jogar xadrez?

– Jogar quem no xadrez? O Flavinho? Não, não, já dei um jeito nisso daí.

– Estou falando de xadrez, o jogo.

– Ah, aquele com as peças pretas e brancas? Não, não, obrigado. É muito complicado. Tem baralho? Sei jogar burro. E sou craque no rouba-monte.

– Pode ser mau-mau?

– Posso. Com prazer.

José Roberto Torero é autor de livros, como “O Chalaça”, vencedor do Prêmio Jabuti de 1995. Além disso, escreveu roteiros para cinema e tevê, como em Retrato Falado para Rede Globo do Brasil. Também foi colunista de Esportes da Folha de S. Paulo entre 1998 e 2012.

#diariodobolso

COMENTÁRIOS

POSTS RELACIONADOS

Diário do Bolso: “se gritar ‘pega Centrão’, não fica um”

O general Augusto Heleno, que cantou “Se gritar ‘pega Centrão’, não fica um, meu irmão…”, agora diz que o Centrão nem existe. Acho que ele vai trocar a letra dessa música pra alguma coisa assim: “Se gritar ‘pega Centrão’, o governo inteiro levanta a mão…”

Diário do Bolso: entupido e não cheirando bem

Os canhotos riem, mas esse meu entupimento veio bem a calhar. Como estou com cagaço de enfrentar essa CPI da covid, aproveitei o meu estado descocomentoso pra me fazer de vítima. Aquela foto de mim cheio de tubo já foi isso. Porque o meu marquetim é esse: quando não tô matando, tô morrendo.

Diário do Bolso: a esquerdalha ri do meu soluço, hic

Teve um sujeito que, hic, disse que o Lira tinha que botar o, hic, pedido de impitimem em pauta, que aí o susto, hic, ia me curar. E outro respondeu que melhor ainda seriadizer que, hic, tinham recuperado as, hic, mensagens do celular do Dominghetti.