LULA CONDENADO: O POVO TAMBÉM VAI CUMPRIR PENA?

Foto Rebeca Belchior / CUCA da UNE

Prometi a meus colegas jornalistas livres que não escreveria mais artigos em defesa do Lula. É preciso olhar criticamente o “mais lulista que o Lula”. Mas este texto não é sobre defender o Lula, é sobre defender algo muito mais imediato: meu interesse e, certamente, o teu. O povo brasileiro foi condenado junto com o Lula.

Lula não foi condenado por fazer parte de um grande esquema de corrupção. Temer e Aécio Neves são a prova disto. O Lula é temido por causa do poder que VOCÊ tem nas mãos. A amostra deste poder é o fato do ex-presidente ser o primeiro colocado em todas as pesquisas de intenção de voto. A “intenção” é tua, e o voto também será teu. Se eu e você, unidos a outras milhões de pessoas não quisessem o Lula de novo, ele não teria sido condenado como foi.

Outros tantos textos foram e serão publicados por pessoas brilhantes a respeito da ilegalidade da condenação. Mas, espero ser uma das tantas pessoas que tentarão responder a pergunta: “E agora?”.

Lula é um líder popular (quer a direita e algumas “esquerdas” gostem ou não!) e também um instrumento da vontade do povo, dentro dos limites de uma democracia representativa e estatal. Muitas contradições existiram no governo dele, mas ele foi o instrumento da empregada doméstica que precisava ter uma certeira assinada; de um morador das cidades mais longínquas do Nordeste que precisava de luz; daquele que não sabia como arrumaria um salário para sustentar os filhos; a mulher que, para sobreviver, dependia do dinheiro de um marido abusivo e passou a ser titular de benefícios sociais; e foi meu instrumento para poder estudar direito na PUC-SP. A direita fala de “pão com mortadela” porque não sabe o que é carecer destas coisas mais básicas. Não pode compreender a dor da fome, aquele que sequer passou da hora de comer. Não queremos nenhum passo atrás. Olha o quanto temos recuado desde a marcha golpista pisoteou nossos direitos!

No plano institucional, frágil e traiçoeiro, é hora de reunir forças em prol de um candidato ou candidata com duas características: compromisso e viabilidade. A primeira se consegue com pressão, e a segunda com trabalho. Lula ainda pode e deve ser este candidato, apesar deste novo golpe.

Agora, no cotidiano, é preciso mais rebeldia para ser, de fato, um povo sem medo. Rebeldia e ação direta não significa – necessariamente – cometer crimes (a não ser quando se trata de leis tirânicas!), mas se defender de criminosos que roubam direitos, expropriam os pobres e matam seus filhos. O mesmo aparato penal que condena o Lula é o mesmo que executa friamente o negro. É preciso dar uma basta à passividade. É preciso ir para as ruas, e também defender a moradia de quem ocupa; trabalhar pela greve, e fazer greve para ter direito a trabalhar.
Três homens brancos e bem pagos não podem definir o destino de milhões de brasileiros. Lula condenado ou presidente, o poder popular tem que ser da gente.

Precisamos ser politicamente livres. Esta pena eu não pago!

Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Jornalistas Livres

COMENTÁRIOS

Uma resposta

POSTS RELACIONADOS

Sítio de Ricardo Nunes em São Paulo fica em loteamento irregular

Prefeito de São Paulo tem 13 lotes em Engenheiro Marsilac, na APA Capivari-Monos, mas apenas quatro estão em seu nome; De Olho nos Ruralistas iniciou série sobre o poder em São Paulo, “Endereços”, contando que ele não tem o hábito de pagar o Imposto Territorial Rural