Festa do Auê Reruê: união espiritual dos indígenas e celebração da vida

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

   Por Aline Frazão, especial para os Jornalistas Livres

2 (3)Mais um ano os Pataxós, que vivem em Carmésia, a 200 KM de Belo Horizonte,  celebraram o Auê Reruê. A festa comemora a união espiritual dos indígenas e neste ano ocorreu nos dias 22, 23 e 24 de abril.

Muito canto, dança, jogos e brincadeiras. O momento também serve para que os não indígenas conheçam um pouco a cultura, os modos de vida e o artesanato, maior fonte de renda desses povos originários. Os Pataxós são muito receptivos. Com certeza se você conhecer algum, ele vai te chamar para conhecer a aldeia dele.

Os indígenas Pataxós são originários do Sul da Bahia. Eles foram os primeiros a ter contato com o homem branco, quando as caravelas de Pedro Álvares Cabral chegaram onde hoje está Porto Seguro. Ou seja, os Pataxós foram os primeiros a sofrer todo tipo de violência perpetrada pelos colonizadores: as mulheres foram estupradas e houve muito derramamento de sangue.

2 (1) 1

Já na década de 1970, 148 anos após a indepência do Brasil, uma leva de indígenas, não suportando mais os conflitos com madeireiros e fazendeiros, saíram à procura de um lugar onde poderiam viver em paz. Eles chegaram até o município de Carmésia, e lá conquistaram um pedaço de terra que foi demarcado pelo governo, após muita luta e idas e vindas de lideranças até Brasília.

Hoje três aldeias estão situadas na Reserva Indígena, que possui 3.300 hectares: a Encontro das Águas, a Aldeia Sede e a Aldeia Imbiruçu. Eles não têm rio, e muito menos o mar. A mata é pouca, e logo a caça também. Mas eles consideram importante celebrar todos os anos o que faz com o que eles estejam ali, vivendo em comunidade e resistindo com a cultura e modos de vida indígenas: a própria vida!

POSTS RELACIONADOS

Ailton Krenak – A vida não é útil

Um dos mais influentes pensadores da atualidade, Ailton Krenak vem trazendo contribuições fundamentais para lidarmos com os desafios que enfrentamos hoje: uma terrível pandemia, um

>