13/06/2019

Joana Mortágua 
Cronista

[email protected] 

Numa reportagem dividida em quatro partes, o Intercept Brasil divulgou o conteúdo de quase dois anos de trocas de mensagens privadas entre Procuradores do Ministério Público brasileiro responsáveis pela Operação Lava-jato e o então juíz federal Sérgio Moro.

Em julho de 2017, Sérgio Moro foi o juíz responsável por condenar Lula da Silva a quase dez anos de prisão por supostamente ter recebido um triplex como luva de uma empresa corrupta. O processo chocou por não ter sido apresentada qualquer prova factual. O melhor que os acusadores conseguiram apresentar foram delações premiadas de corruptos condenados e uma reportagem da Globo cujas informações nem sequer batiam certo com as da acusação.

Com a prisão de Lula da Silva ficou resolvido o pior pesadelo da direita brasileira, a possibilidade do candidato melhor posicionado nas sondagens ir a votos. A fantochada judicial cumpriu o seu maior objetivo: concluir o golpe contra o Governo de Dilma Rousseff, afastar o PT do poder e garantir Lula longe das urnas.

A manipulação política da opinião pública a partir da cortina de pretensa imparcialidade do poder judicial foi uma estratégia montada pela direita brasileira desde os primórdios do plano para o impeachment. A Lava-jato foi a autoestrada de Bolsonaro para o poder, e o prémio foi a nomeação de Sérgio Moro como Ministro da Justiça.

Quando aceitou esse cargo, Moro denunciou-se como um justiceiro fanfarrão que sempre esteve mais talhado para vilão do que para herói. Sérgio Moro nunca escondeu as suas motivações políticas no “combate à corrupção”, e a perseguição a Lula como um objetivo de vida. Cumprir a lei tornou-se secundário e o Estado de Direito uma atrapalhação desnecessária.

É isto que a reportagem do Intercept veio confirmar. Que o atual Ministro da Justiça do Brasil foi um juiz desonesto, parcial e corrompido por interesses políticos, que a Constituição e o Código de Ética dos magistrados foram atropelados. “Aos inimigos, nem a lei”. É uma bomba na credibilidade do sistema judicial brasileiro.

Nas mensagens lê-se o Juiz Sérgio Moro, o homem responsável por analisar as provas, ouvir a acusação e a defesa e emitir uma sentença justa, a dirigir a investigação da acusação. Além da troca da ordem das fases da Lava Jato, Moro exige a realização de novas operações, repreende o Ministério público, dá sugestões, contactos e pistas e antecipa, pelo menos, uma decisão judicial.

Mais, prova-se que Dallagnol, o procurador responsável pelas investigações, duvidava das provas contra Lula e do suborno da Petrobras, que a ligação foi feita apenas para o processo cair no colo de Moro. Numa outra conversa, os procuradores combinam como vão impedir que Lula dê uma entrevista em plena pré-campanha eleitoral. Uma procuradora deixa claro que a questão não é jurídica mas o medo de que se o antigo Presidente falasse, poderia ajudar a eleger Fernando Haddad, candidato do Partido dos Trabalhadores (PT).

Nada disto é surpresa para o campo democrático que denunciou a prisão de Lula como um processo político, até a ONU se pronunciou sobre o assunto. Apesar disso, Moro foi glorificado e aclamado por altas personalidades políticas e institucionais como um grande especialista judicial no combate à corrupção.

Passaram apenas duas semanas desde que Sérgio Moro esteve em Portugal para participar nas Conferências do Estoril.  Foi orador no painel “De Volta ao Essencial: Democracia e a Luta contra a Corrupção” ao lado das ministras da Justiça de Portugal e Cabo-Verde, uma ex-procuradora e a ex-primeira ministra do Senegal. Registe-se agora o silêncio dos que correram para não perder lugar na primeira fila dos aplausos a Moro.

“Mudei de cargo, mas continuo o mesmo”, afirmou Moro nessa visita ao nosso país. A confissão fica-lhe bem mas é uma triste notícia para o Brasil,  tem como ministro um juíz fora-da-lei. Sem equívocos, a maior vítima de Moro não é Lula da Silva, encarcerado por convicção, mas a soberania democrática do povo Brasileiro. Só que, depois disto, já não dá para defender a última sem libertar o primeiro. E agora, Brasil?

via Jornal I

https://ionline.sapo.pt/artigo/661816/e-agora-brasil-?seccao=Opiniao_i

Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Jornalistas Livres

COMENTÁRIOS

POSTS RELACIONADOS

Recorde em SP: 48 mil pessoas vivem nas ruas

Um levantamento realizado por pesquisadores da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) mostra que 48.261 pessoas viviam nas ruas em São Paulo no ano de 2022, sendo o maior já registrado na capital paulista. No Brasil são quase 192 mil pessoas em situação de rua registradas no CadÚnico.