Jornada Rio Doce: A doença da Samarco em Barra Longa

por Carolina Rubinato, para os Jornalistas Livres

Lama química em Barra Longa. Foto: Carolina Rubinato

Exames detectaram contaminação por metal pesado na população de Barra Longa. Após o rompimento da Barragem de Fundão a lama química da Samarco atingiu o centro da cidade, e assim permaneceu por mais de seis meses.

A contaminação ocorre após o prefeito retirar parte da lama com maquinários e caminhões, depositando-a no Parque de Exposições e outra parte utilizada para calçar a cidade com blocos sextavados. Atualmente o município respira a poeira contaminada por metais pesados que sai pela lateral dos blocos.

Os estudos com a saúde da população começaram em 2017 por um grupo da Faculdade de Ciências Farmacêuticas de Ribeirão Preto, especializados em análises toxicológicas, sob-responsabilidade da Dra. Evangelina Vormittag e assinados pelo Professor Dr. Fernando Barbosa Junior. Em 2016 eles selecionaram algumas pessoas e pediram para responderem um questionário para a autoavaliação do estado de saúde. Pelos sintomas relatados foram solicitados exames de laboratório para verificar se havia alguma contaminação do seu corpo por metais pesados. Para realizar esses exames foram coletados sangue e fios de cabelo das onze pessoas.

Os exames foram realizados em Janeiro de 2018 no laboratório da faculdade de Ciências Farmacêuticas de Ribeirão Preto. Foram pesquisados 13 metais: Alumínio, Arsênio, Bário, Cádmio, Chumbo, Cobalto, Cobre, Ferro, Manganês, Níquel, Selênio, Urânio e Zinco.

Em todos os exames foram detectados uma diminuição expressiva da quantidade de Zinco e um excesso de Níquel e Arsênio. Os exames foram realizados em dois equipamentos e laboratórios diferentes e os resultados confirmados.

Ainda de acordo com a avaliação médica uma pessoa com deficiência de zinco pode ter lesões de pele, difícil cicatrização de feridas, perda de apetite, emagrecimento, queda de cabelo, diarreia, alterações no paladar e olfato, alterações de comportamento e dificuldades de aprendizado e de memória. Além disso, a deficiência de zinco pode ocasionar infertilidade nos homens e desenvolvimento anormal do bebê, retardo do crescimento do feto e má formação congênita do bebê durante a gravidez.

Caso da pequena Sofya Silva Marques, de 03 anos, que veio recentemente a São Paulo para realizar novos exames. Sofya tinha um ano quando foi atingida e nos últimos dois anos apresentou diversos problemas de saúde, dentre eles coceiras e alergias de pele incuráveis, dificuldade para respirar e perda de apetite. Simone Maria Silva Marques, mãe da Sofya enfrenta uma batalha contra a Samarco e pelo direito a saúde da filha.

Já o excesso e contaminação por níquel no organismo provocam dor de cabeça, enxaqueca, vertigens, náusea, vômitos, problemas renais e pneumonia seguida por fibrose pulmonar. Os sintomas incluem dor no peito, tosse, falta de ar, e piora dos sintomas da pneumonia, asma e dificuldade respiratória aguda. Os efeitos crônicos da exposição ao níquel por inalação incluem renite, sinusite, úlceras nasais, perfuração dos septos nasais e diminuição da função do olfato. O excesso de níquel pode causar efeitos tóxicos para o fígado e sistema reprodutivo, resultando na produção de espermatozoides deficientes e na gravidez também pode causar má formação congênita no bebê. Há a associação de níquel a casos de câncer no aparelho respiratório (laringe e pulmão) em trabalhadores que lidam com o níquel.

Odete Cassiano mora com o filho, o pai e a mãe, ambos com mais de 90 anos. Sua família é uma das que tiveram sangue e fios de cabelos colhidos para exames toxicológicos realizados pela Dra. Evangelina Vormittag, da Faculdade de Ciências Farmacêuticas de Ribeirão Preto, em janeiro de 2018.

Em entrevista ela conta que desde 2016 tem problemas de saúde relacionados à lama. Ela e o pai estão contaminados. “Já conversamos várias vezes com as autoridades de saúde de Barra Longa. Eles dizem que o município não tem como tratar o pessoal. Eles sempre dão desculpas para não participarem das nossas reuniões. Hoje gasto R$ 500 por mês em remédios”, diz Odete.

Todos os resultados dos exames foram entregues para os pacientes, bem como a Secretaria Municipal de Saúde de Barra Longa. A equipe responsável pelo exame concluiu que chama a atenção à presença do mesmo resultado para todos os 11 participantes da coleta. Além disso, das 11 pessoas, três apresentaram aumento no arsênio no sangue e cinco estão com ele no limite superior da normalidade.

Como há presença de arsênio na cidade, demonstradas em análises de água, sedimento e solo, bem como nos peixes, pode ser que as pessoas continuem sendo contaminadas. Por isso a equipe também ressaltou a importância de se realizar um estudo epidemiológico e de risco toxicológico com urgência nas cidades atingidas.

A Dra. Evangelina Vormittag, pesquisadora responsável pelo estudo encaminhou um ofício a Secretaria Municipal de Saúde de Barra Longa e ao Ministério Público sobre os resultados da pesquisa para que estejam alertas para a possibilidade de intoxicação por metais pesados na região e, assim, salvaguardar a saúde da população atingida.

Entenda o Crime da Samarco em Barra Longa

Em Barra Longa praticamente a cidade inteira foi atingida pelo crime da Samarco. Quem não teve efetivamente a casa invadida por lama, recebeu a contaminação quando o prefeito resolveu calçar a cidade com a terra. Outra questão prejudicial foi à quantidade de caminhões e tratores da Samarco que invadiram as ruas para mudar a lama de um lugar para o outro, mexendo com a estrutura das casas, não preparadas para o alto tráfego de grandes veículos, muitas casas racharam.

Foram mais de seis meses para que toda a lama fosse removida do centro da cidade e ainda hoje, se vê obras sendo realizadas, casas que ainda não foram recuperadas, causando outro grave problema, a depressão de uma comunidade que se viu obrigada a ficarem longos meses trancados em seus lares.

Outro receio das mulheres, a quantidade de homens estranhos por lá. Muitos operários na cidade trabalhando na remoção da lama e nas obras, o local que não tinha gente estranha passou a ter e com isso aumentou o número de assédio as mulheres. Barra Longa tem em torno de 6.500 habitantes que, ainda hoje, convivem com máquinas, tratores e pessoas estranhas à comunidade. Uma cidade habitada por gente que só queria a calmaria das pequenas cidades.

Antônio Luiz Gonçalves, mas conhecido como Riso, conta com tristeza que sua família, além de ser atingida, assinou na pressão a proposta de indenização da Samarco. “Quando os advogados da Samarco me disseram que aquela era a última proposta e que se não aceitasse que eu fosse procurar a justiça lenta do Brasil, fiquei com medo de morrer sem ter minha casa de volta. Assinei”, completa Gonçalves, um dos poucos que não quis entrar na ação coletiva dos atingidos em Barra Longa.

A contratação de uma assessoria técnica

Após o rompimento da barragem cada cidade atingida formou uma comissão dos atingidos e contrataram uma assessoria técnica para ajudá-los de forma coletiva, mas centrada ao município. Em Mariana que abrange os distritos de Bento Rodrigues, Paracatu de Baixo, Paracatu de Cima, Ponte do Gama, Campinas, Pedras e Camargos a assessoria técnica escolhida pela comissão dos atingidos é a Cáritas, em Barra Longa é a Associação Estadual de Defesa Ambiental e Social criada por Atingidos por Barragens – AEDAS.

Alexandra Borba, coordenadora local da AEDAS, explica que a contratação de uma assessoria para auxiliar os atingidos é uma das ações implantadas com o dinheiro que a justiça bloqueou da Samarco e que também visa assegurar o protagonismo dos atingidos no processo de reparação dos direitos.

População cria coletivo de saúde

Mesmo atuando com uma assessoria técnica especializada nesse tipo de conflito, a população local montou um coletivo da saúde com o apoio do MAB – Movimentos dos Atingidos por Barragens.

Sérgio Papagaio, também morador de Barra Longa, colunista do jornal A Sirene e parte do coletivo de saúde, fala que dentre as reivindicações já encaminhadas às empresas responsáveis pelo crime Samarco, Vale SA, BHP Billiton, VogBR, ao poder público e ao Ministério Público constam solicitações como a realização e a divulgação de estudos sobre a saúde das pessoas e dos alimentos que são produzidos e comercializados no local a curto, médio e longo prazo. “Também exigimos projetos sobre a melhor forma de diminuir a poeira que continua contaminando as pessoas pelas vias nasais, durante o simples ato de respirar – veneno, já que o prefeito utilizou a lama cheia de metais pesados para calçar as ruas da cidade com blocos sextavados. Entre diversos itens, a participação popular em todas as decisões também é parte das reivindicações. Nada pode ser decidido sem o aval dos atingidos”.

Como dizem os atingidos, quem não pisou na lama tem que ceder a vez da fala.

Campo de futebol e ruas calçadas com a lama química

Rosana conta que a casa dela foi atingida, além da lama que ela inala todos os dias ao viver em Barra Longa, sua casa está toda trincada devido ao alto tráfego de caminhões e tratores em uma rua não apropriada para isso. “São dois anos com eles indo e vindo para deslocarem essa lama, rachou a casa toda. Eles vieram aqui e ofereceram pintar a fachada”, completa indignada a moradora, atingida por duas vezes pela Samarco e que hoje vive a base de remédio.

Rosana mora com o marido e o filho. Essa é a segunda vez que é atingida pela Samarco. Em 2000 sua família foi desapropriada para a construção da hidrelétrica Risoleta Neves de propriedade da Vale S.A. e da Aliança Geração de Energia S.A. A família morava entre Santa Cruz do Escalvado e Rio Doce, e toda a população que morava nos limites desses municípios foram obrigados deslocarem. Rosana nada recebeu da desocupação causada pela Vale S.A na época da construção da usina e luta há dois anos para que a Samarco tenha responsabilidade por todos os crimes que cometeu.

Maria das Dores de Oliveira, senhora de 92 anos, completa 93 no dia 28 de março, moradora da casa que fica em frente ao campo de futebol de lama química depositado pela prefeitura, conta que sempre morou lá e que mais nove famílias também moravam por ali. Todo mundo foi embora, menos ela.

“Ninguém me tira daqui. Morei toda a vida aqui, tenho tudo plantado. Eu fiquei. Eles até tentaram me tirar, mas não saí, nem quando veio toda a lama. Peguei minha nossa senhora, levantei no alto, pedi e ela ajudou a lama a fazer a curva. Isso tudo é culpa do bicho-homem… o bicho-homem vai acabar com tudo”, diz Maria das Dores.

Mídia democrática, plural, em rede, pela diversidade e defesa implacável dos direitos humanos.

Categorias
Direitos HumanosRio Doce

Mídia democrática, plural, em rede, pela diversidade e defesa implacável dos direitos humanos.
Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

AfrikaansArabicChinese (Simplified)EnglishFrenchGermanItalianJapaneseKoreanPortugueseRussianSpanish