BOLSONARO SIGNIFICA APAGÃO ADMINISTRATIVO

Apagão é o projeto
Apagão é o projeto de Bolsonaro

Por Gilberto Maringoni*

Os cortes de verbas lineares nas Universidades e outras unidades de ensino federal, o desmonte do SUS, a várzea em que se transformou a Apex (Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos), o bate-cabeças entre quase duas centenas de oficiais militares acostumados a mandar e olavistas alucinados, o vandalismo que acomete o BNDES, o anunciado fim do Minha Casa Minha Vida, a extinção dos financiamentos para agricultura familiar etc. etc. expressam um misto de incompetência com um bem definido projeto nacional.

Sim. Bolsonaro tem projeto claro, límpido e cristalino. O que ele não tem é política.

O EXTREMISMO inaugura nova fase para a direita brasileira. Em quase toda a República, as classes dominantes deram vazão sem freios à sua brutalidade contra as classes populares. Apesar – ou por causa – disso, há algo que tais setores fizeram muito bem ao longo do último século e meio: a gestão do Estado.

O que moveu distintas frações burguesas nessa senda foi o fato de esse Estado ser ferramenta essencial para a manutenção de sua dominação de classe. As engrenagens tinham de funcionar para possibilitar a reprodução ininterrupta de capital. Não poderia haver apagão. Gerir o Estado significa gerir o capitalismo.

O TOPO DA PIRÂMIDE SOCIAL sempre conduziu o Estado de forma competente, ao montar uma burocracia profissional – vide Vargas 1930-45 -, com competentes políticas para tocar seu projeto nacional. Política e gestão de Estado são inseparáveis. Não existe gestão pública neutra.

Bolsonaro tem projeto nacional. Este se materializa na inserção ainda mais subordinada do Brasil à nova divisão internacional do trabalho, surgida pós-anos 1970-80. Essa nova configuração tem como métrica o dólar flexível – sem lastro -, a financeirização econômica e a globalização capitalista lastreada inicialmente na unipolaridade estadunidense.

A AÇÃO MAIS CLARA para essa nova inserção é a redução brutal do preço da força de trabalho, o desmonte de qualquer sombra de soberania industrial e a repressão interna.

Vamos repetir a questão central: há um projeto sem política. Aqui estão os problemas do governo atual. A demonização da atividade política, impulsionada por Bolsonaro e pela Lava Jato batem de frente com o que existe de público e participativo nesse Estado.

O DESMONTE SÓ É POSSÍVEL por conta das profundas mudanças pelas quais passou a sociedade brasileira nas últimas décadas. A diretriz macroeconômica que tem sua mola mestra na sobrevalorização cambial e em juros estratosféricos só pode resultar em desindustrialização.

O real valorizado tornou as importações predatórias e levou centenas de ramos industriais à falência. Antigos capitães de indústria viraram rentistas ou especuladores estrito senso. Voltamos a importar tecnologia e capital e a exportar bens primários e transformamos o país num dos mais atraentes cassinos financeiros do planeta.

Há uma lumpenização acelerada nas duas pontas da sociedade. Embaixo, pela desregulamentação e informalização do trabalho. Em cima, pelo surgimento de um empresariado que não empresaria nada e cujos objetivos maiores são vender seus negócios e viver de juros.

NUM QUADRO DESSES, QUAL O PAPEL DO ESTADO?

Que atividades deve regular? Para que servirá?

Servirá para garantir a rentabilidade do capital especulativo – em cujo altar devem ser queimados todos os ativos públicos – e pela invulnerabilidade das decisões econômicas, que começam pela autonomia do Banco Central.

A política, a democracia e a participação de quem quer que seja atrapalham. Também não serão necessários serviços eficientes ou políticas sociais. São gastos inúteis nesse maravilhoso mundo novo. Haverá um país “sobrando” à margem dos negócios. E daí? Daí dane-se. Witzel e seus helicópteros de caça estão no ar para botar ordem na casa.

O APAGÃO ADMINISTRATIVO será efeito colateral no quadro que se desenha adiante. Vigorará durante um tempo. A partir de um indeterminado ponto, o colapso de gestão tenderá a ser disfuncional para o capital, quebrando suas próprias garantias de reprodução.

Deter o apagão significa deter o projeto. Para quem tem o mau costume de pensar em futuro, não há saída a não ser encarar uma luta pesada.

Qual a esperança? Embora o projeto do grande capital seja consenso entre os de cima, sua execução no mundo real – o da política – fraciona até mesmo as falanges que o aplicam. A base de apoio de Bolsonaro não é uniforme. As inúmeras nuances empresariais e dos setores populares que o sustentam não estarão nem de longe contempladas se o plano for executado a ferro e fogo.

*Gilberto Maringoni de Oliveira é um jornalista, cartunista e professor universitário brasileiro. É professor de Relações Internacionais da Universidade Federal do ABC, tendo lecionado também na Faculdade Cásper Líbero e na Universidade Federal de São Paulo.

Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Jornalistas Livres

COMENTÁRIOS

POSTS RELACIONADOS

Recorde em SP: 48 mil pessoas vivem nas ruas

Um levantamento realizado por pesquisadores da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) mostra que 48.261 pessoas viviam nas ruas em São Paulo no ano de 2022, sendo o maior já registrado na capital paulista. No Brasil são quase 192 mil pessoas em situação de rua registradas no CadÚnico.

Hoje Maria Marighella é a entrevistada no Programa JORNALISTAS LIVRES ENTREVISTA. Atriz, mãe, militante e produtora cultural. Herdeira de uma família de tradição militante. Maria