Ato em Campinas  marca uma ano do assassinato da vereadora  Marielle Franco (PSOL) e seu motorista Anderson Gomes

Homenagem a vereadora ocupa as ruas do centro da cidade no dia 14/03

MariellePresente Quem matou Marielle? Largo do Rosario 2019 Campinas - SP Foto: Fabiana Ribeiro

MariellePresente
Quem matou Marielle?
Largo do Rosario 2019
Campinas – SP
Foto: Fabiana Ribeiro

“Quem mandou matar?” essa era a pergunta que se repetia durante todo as manifestações na cidade de Campinas (SP).  O ato em  homenagem a vereadora Marielle Franco – assassinada  juntamente com  Anderson Gomes, seu motorista – teve várias atividades o Largo do Rosário com celebração inter-religiosa, roda de samba com o grupo Mana Dinga, formado por mulheres.

Uma ação que contou com a presença da vereadora Mariana Conti  e dos  vereadores Gustavo Petta (PC do B), Pedro Tourinho (PT) e Carlão do PT  renomeou  a Praça Largo do Rosário para Praça Largo do Rosário Marielle Franco .

O projeto de mudança do nome da praça é uma proposta coletiva da  vereadora Mariana Conti  e dos  vereadores Gustavo Petta (PC do B), Pedro Tourinho (PT) e Carlão do PT.  Na proposta coletiva, o local passará a ser denominado Praça Largo do Rosário Marielle Franco ,  oficialmente  é denominado como  Praça Visconde de Indaiatuba.

MariellePresente
Quem matou Marielle?
Largo do Rosario 2019
Campinas – SP
Foto: Fabiana Ribeiro

A manifestação que contou com centenas de pessoas, providas de cartazes, blusas, adesivos  com a frase “Quem matou Marielle?” e flores seguiu até a Praça Bento Quirino, durante  o cortejo  falas  reafirmavam as lutas da vereadora que representava a luta de negros, mulheres, populações periféricas e LGBTs,    e palavras de ordem cobrando das autoridades  a solução para o crime brutal contra a vereadora e seu motorista.

Na Praça Bento Quirino houve uma intervenção  em homenagem à vereadora e as vitimas de feminicídio em 2018, as mulheres foram lembradas e homenageadas com flores.

Durante todo o ato houve inúmeras  críticas ao presidente Jair Bolsonaro (PSL) e as as suas relações com as milícias cariocas que foram apontadas como  executoras do assassinato da vereadora carioca.

Categorias
CampinasCampinasDireitos HumanosFeminismoGeralLGBTMarielle FrancoMarielle viveNegras e NegrosRegião de Campinas
Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta