Após exoneração de subsecretário, bolsonarização da política continua em Embu das Artes

Mesmo após denúncia, secretário mantém tom de ameaça e intimidação da imprensa local

Após a enorme repercussão do indiciamento do subsecretario de Tecnologia e Comunicação, Renato Oliveira no caso do atentado ao jornalista e chargista, Gabriel Binho, o secretario Jones Donizette (PRP) resolveu exonerar Renato Oliveira que é fã de Jair Bolsonaro e seria ligado ao MBL. (mais sobre o indiciamento aqui)

Apesar de a exoneração ter sido publicada um dia após a confirmação da Polícia Civil de que Renato Oliveira estaria dirigindo o carro que derrubou o chargista de sua moto no Km 279 da rodovia Régis Bittencourt, o modelo virtual de desmoralização violenta e ostensiva de adversários políticos, própria do MBL e de Bolsonaro,  se mantém na prática com o próprio secretário. A tática foi amplamente usada durante as eleições municipais que levaram Ney Santos (PRB) a prefeitura e agora se estende aos jornalistas que tentam cobrir de forma mais ativa os desmandos dos poderosos da cidade.

Em sua página pessoal no Facebook, Jones Donizette, que também é presidente do PRP municipal, diz que vai comentar ao vivo a exoneração de seu amigo Renato, agora acusado de tentativa de homicídio, e que falará também sobre a família de Gabriel Binho.

Acusado de lavagem de dinheiro e associação ao crime organizado, Ney santos usou táticas de ataques virtuais do MBL para chegar a prefeitura

A baixeza e a covardia desse indivíduo não tem limites: ele agora tem o descaramento de mexer com a família do jornalista, numa clara atitude de intimidação de toda a imprensa local.

Na prefeitura, o ex-subsecretario Renato Oliveira era considerado um jovem virtuoso nas redes sociais com experiência adquirida na sua participação no MBL (Movimento Brasil Livre) na ofensiva contra a presidenta Dilma Russeff pela internet, apelando para sentimentalismos mais baratos e a incitação do ódio na população. Oliveira ficou conhecido nacionalmente depois de chocar o apresentador Jô Soares defendendo Jair Bolsonaro no episódio em que o deputado atacou a colega Maria do Rosário ao dizer que só não a estuprava porque ela não merecia.

Parece que foi fácil para o atual governo de Embu das Artes se livrar do garoto do MBL diante da atual situação de descrédito do movimento depois que ficou mais claro para o povo os verdadeiros interesses por trás do impeachment, mais difícil deve ser abandonar as práticas coronelista do grupo.

Categorias
DestaquesGeralMBLVoz das Periferias
Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta