Em ato simbólico, Guaranis encenam a “cura” dos colonizadores

Ato dos Guarani pela cura dos colonizadores, em frente ao páteo do colégio em São Paulo. 15.06.2017. Por Fernando Sato

Representantes indígenas Guaranis das aldeias do Jaraguá, São Bernardo e Parelheiros, e Tupinambás da Bahia, fizeram esta semana um ato contra o genocídio do povo indígena e cobrando pela demarcação das terras já, em pleno Páteo do Colégio, ponto zero da construção portuguesa da cidade de São Paulo.

O ato contou com uma apresentação teatral onde os bandeirantes e a colonização jesuíta foram colocados como personagens principais do início do massacre indígena pelo homem branco. Na cena, Borba Gato e José de Anchieta foram “capturados” pelas tribos Guarani e Tupinambá e passaram por um processo de cura.

 

Sonia Barbosa (Ara Mirim), liderança da tribo Guarani Mbiya do Jaraguá e Yakuy Tupinambá, anciã da etnia Tupinambá, da Bahia, leram um manifesto histórico, um libelo libertário de um passado ainda presente.

Os responsáveis pelo Museu Padre Anchieta e da Igreja Beato Anchieta, localizado no local, fecharam as portas durante a manifestação. Outro detalhe. Duas visitas escolares monitoradas afastaram as crianças da presença indígena. A história continua sendo contada apenas pelos homens brancos.

COMENTÁRIOS

POSTS RELACIONADOS

Se não vos fizerdes como crianças

Se 3 de julho assistiu a volta das cabeças brancas às manifestações, o 2 de outubro recebeu na Avenida Paulista aqueles com pouco mais de 12 anos, já com uma dose no braço, e mesmo os menores que ainda aguardam a liberação da vacina

>