1 ano do desaparecimento de Rosiney Trindade de Oliveira em Portugal

Mulher, brasileira e imigrante desaparecida. O sonho por melhores oportunidades é grande, mas quais as reais condições?

Texto: Coletivo Vozes no Mundo

Neste dia 14 de novembro de 2019 completa-se um ano do desaparecimento de Rosiney Trindade de Oliveira, em Portugal, ocorrido em circunstâncias misteriosas e possivelmente associado ao tráfico de mulheres.Muitas e muitos de nós lutamos por melhores condições e direitos na vida de uma mulher, principalmente na condição de imigrante. Infelizmente, Rosy tornou-se mais um caso concreto para esta luta.

Mulher, trabalhadora, de origem humilde, estava fora dos círculos universitários que dominam a cidade de Coimbra e, portanto, fora de uma rede apoios que facilitaria a denúncia e a atenção ao caso. Rosy é de Curitiba, mas nos últimos anos morou em Itajaí, Santa Catarina. Chegou em Portugal no dia 1 de outubro de 2018 e começou a trabalhar em Lisboa. Poucos dias depois, aceitou uma proposta de emprego anunciada na internet para trabalhar no restaurante Restinova, na região de Coimbra.Como funcionária do restaurante, poderia também usufruir dos alojamentos que existiam nos fundos do restaurante e foi ali mesmo onde Rosy morou por 28 dias. O restaurante, localizado em uma curva mal iluminada à beira de uma pequena estrada, é conhecido por ser parada de caminhoneiros e viajantes.

No dia 14 de novembro de 2018, durante a madrugada, Rosy desaparece e todos seus pertences, exceto documentos e celular, ficam no alojamento. O caso logo é abordado com um discurso irresponsável, seja pela mídia ou por funcionárias e dono do restaurante, sugerindo um comportamento duvidoso da vítima. De imediato, despejam a clássica versão estereotipada sobre mulher brasileira: “Rosy gostava de beber vinho de noite”, “Rosy usava lingeries” e etc. A irresponsabilidade é tanta que uma das primeiras matérias realizadas mostram funcionárias e repórter revirando as malas de Rosy antes mesmo da polícia chegar ao local.

Desde então, acontecimentos levantam suspeitas sobre o restaurante e o dono, José Correia, como o caso de uma ex-funcionária que diz ter sido assediada pelo mesmo. Correia se recusa a dar entrevista há mais de 6 meses.
Enquanto isso, no Brasil, a família tentava se organizar com doações online para conseguirem vir à Portugal, mas o valor arrecadado foi suficiente para pagar apenas a taxa de emissão do passaporte de um deles.

Neste marco de um ano após o desaparecimento de Rosy, o cenário não é dos melhores. O caso está sendo investigado pela Polícia Judiciária de Coimbra, mas em sigilo. Não há nenhuma informação ou declaração após abril de 2019. São 7 meses em silencio e 1 ano sem respostas. O consulado brasileiro no Porto e em Lisboa se solidarizaram com o caso, mas nunca se pronunciaram ou pressionaram por respostas às investigações.

No dia de hoje, o Vozes no Mundo – Frente pela Democracia no Brasil, realizou em Coimbra uma manifestação para fazer valer a continuidade de investigações efetivas que, na ausência da família, que não tem condições financeiras de estar presente para garanti-la, pode cair no esquecimento e se tornar mais um dado para a estatística das mulheres brasileiras trabalhadoras desaparecidas em Portugal e na Europa.

Protesto realizado na cidade de Coimbra na tarde de

Categorias
DestaquesDireitos HumanosFeminismoGeralimpunidadeInternacionalMachismo e misoginia
3 comentários:
  • Diusa silva
    15 novembro 2019 at 15:26
    Comente

    Vamos fazer uma campanha, “onde está Rozy? “Mundial.a união faz a força.

  • Miriam Reis de Andrade Guimarães
    15 novembro 2019 at 17:02
    Comente

    Sinto-me contemplada, com esse texto que transforma a história de Rosy ,em uma crônica ,deixando de lado a função óbvia que teria se fosse,”apenas” uma reportagem policial expositiva. Nessa narrativa,não encontrei apenas uma Rosy, mas várias mulheres que procuram melhores condições de vida, saindo a navegar pelos mares , céus e estradas do mundo, atrás de suas utopias. Sem a realização dessas expectativas,muitas vezes capitulamos sonhos ,enfrentamos a aceitação da subserviência ou, se não,houver papo, até a morte.
    O apelo às autoridades e aos movimentos sociais se torna persuasivo, quando o Coletivo Vozes do Mundo se torna porta voz desse clamor e nos chama à reflexão. Onde está Rosy? É uma pergunta e um silêncio de um um ano, ou de quanto tempo?
    E, aí, o que resta a nós ,os seres humanos que farejam o cheiro de sangue deixado pelo neoliberalismo no Planeta? Em quantas etapas desdobraremos a nossa luta ? Quanto tempo suportaremos , assistindo à expulsão de homens e mulheres das inúmeras regiões exploradas pelos grandes centros econômicos internacionais sendo barrados ou mortos , justamente, por esses que provocaram esse êxodo?
    De repente, imaginei Rosy, como aquela frágil criança emborcada, sem vida, em uma praia, após tentar com a família , chegar a um lugar próspero e seguro.
    Não é a mesma coisa… Ou será?

  • CICERA SILVA
    16 novembro 2019 at 10:05
    Comente

    Bom dia sou a cunhada da Rosy morro em nova prata do Iguaçu Paraná gostaria de alguém deste grupo entra em contato comigo meu nome é CICERA e meu contato e 046991115760.

  • Deixe uma resposta

    AfrikaansArabicChinese (Simplified)EnglishFrenchGermanItalianJapaneseKoreanPortugueseRussianSpanish