Uma homenagem à guerreira Marisa Letícia

Fotos: Bianca Araujo, especial para os Jornalistas Livres.

Hora doída de sofrer e dizer: adeus, Dona Marisa. Hora eterna e amarga de perda. De confortar e ser confortado na certeza de que injustiças e perseguições não mais lhe farão diferença. Hora de agradecer a senhora por sonhos tidos juntos, que realizaram a certeza de que sim, não há porque ter medo de ser feliz. E de que é possível, sim, ser dono da própria história. Hora de chorar junto com seu grande companheiro de toda vida.

Hora de fixar na memória sua coragem e dignidade, de ter seu exemplo como referência.

Hora de recolhimento, de abraçar e ser abraçado. De escolher bem os pensamentos e as palavras. De pensar e dizer, em sua homenagem: que a luta continua.

 

Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Jornalistas Livres

COMENTÁRIOS

Deixe um comentário

POSTS RELACIONADOS

Quem vê corpo não vê coração. Na crônica de hoje falamos sobre desigualdade social e doença mental na classe trabalhadora.

Desigualdade social e doença mental

Quem vê corpo não vê coração.
Na crônica de hoje falamos sobre desigualdade social e doença mental. Sobre como a população pobre brasileira vem sofrendo com a fome, a má distribuição de renda e os efeitos disso tudo em nossa saúde.

A nova fase do bolsonarismo

Por RODRIGO PEREZ OLIVEIRA, professor de Teoria da História na Universidade Federal da Bahia O ato de 25/2 inaugurou um novo momento na história da