Temer, o poeta

Entre os livros sobre Direito escritos pelo vice-presidente da República, Michel Temer, há uma obra de poesia. Em “Anônima Intimidade”, Temer expõe sua presença íntima no mundo e parece prever, três anos antes, as consequências da carta que endereçou à presidente Dilma

Por Maria Carolina Trevisan*, para Jornalistas Livres

Com 165 páginas, Anônima Intimidade (Editora Topbooks, 2013) foi escrito na ponte-aérea entre Brasília e São Paulo. Tem prefácio do ex-ministro do Supremo Tribunal Federal Carlos Ayres Britto, que também se denomina poeta.

A seguir, um dos poemas que revelam a intimidade — ficcional, ele adverte — do vice-presidente:

Exposição

Escrever é expor-se,
Revelar sua capacidade
Ou incapacidade.
E sua intimidade.
Nas linhas e entrelinhas.
Não teria sido mais útil silenciar?
Deixar que saibam-te pelo que parece que és?
Que desejo é este que te leva a desnudar-te?
A desmascarar-te?
Que compulsão é esta?
O que buscas?
Será a incapacidade de fazer coisas úteis?
Mais objetivas?
É por isso que procuras o subjetivo?
Para quem a tua mensagem?
Para ti?
Para outrem?
Não sei.
Mais uma que faço sem saber por quê.

Clique aqui para ler a íntegra da carta de Temer para Dilma


*Uma dica de Antonio Prata no FB. Obrigada, Antonio!

COMENTÁRIOS

POSTS RELACIONADOS

A cor do golpe

Os discursos de ódio a conta gota, institucionalizaram-se. Eles destilam o ódio a negros, mulheres, LGBTIQIA+, nordestinos e pcd’s.