Por todas elas – inclusive pela Dilma

Fotografia: Isis Medeiros / Jornalistas Livres

O ato Por Todas Elas, em Belo Horizonte, reuniu cerca de 5 mil pessoas: homens e mulheres, diversas mulheres, brancas, negras, lésbicas, transexuais, adolescentes, jovens, adultas e idosas. Elas se concentraram na Praça Sete e depois marcharam até a Praça da Liberdade. No trajeto, música, poesia, performance artística e desabafo contra o machismo que afeta a todos e oprime e violenta a mulher. O recado foi dado: “Mexeu com uma, mexeu com todas.

A violência contra a mulher não é o mundo que a gente quer. Tô na rua contra os abusos e não tolero nem mais um estupro”.

As mulheres gritaram, gritaram com força. Elas estavam bravas, tristes…algumas choraram! O pensamento estava na irmã que sofreu abuso por mais de 30 homens, e nas tantas que sofrem abusos todos os dias.

A cultura do estupro é pauta antiga dos movimentos feministas. Mas o caso do estupro coletivo ocorrido na semana passada no Rio de Janeiro contra uma adolescente de 16 anos, fez com que muitas mulheres, homens também, saíssem às ruas nessa quarta-feira. Elas querem dar um basta, e de fato é preciso: 80% dos casos de estupro são contra mulheres no Brasil, e mais de 75% dos casos são contra crianças e adolescentes.

photo_2016-06-01_23-36-52
Fotografia: Isis Medeiros / Jornalistas Livres

 

Na periferia é ainda pior

Durante o ato, muitas mulheres lembraram que nas periferias a cultura do estupro é mais forte. Uma delas disse em cima do caminhão da CUT, que acompanhou a marcha até a Praça da Liberdade, que muitos estupros que acontecem nas favelas são perpretados pelo Estado, quando mulheres são revistadas por…machistas!

Por isso, a luta hoje também era contra a polícia militar. As mulheres querem o fim dessa instituição, muitas vezes machista e quase nunca defensora dos direitos delas.

 

Fotografia: Isis Medeiros / Jornalistas Livres
Fotografia: Isis Medeiros / Jornalistas Livres
Fotografia: Isis Medeiros / Jornalistas Livres
Fotografia: Isis Medeiros / Jornalistas Livres

 

Fica querida

O ato foi contra o machismo e uma de suas faces mais medonhas – a cultura do estupro, mas foi também uma manifestação contra o governo interino. Nas ruas ecoaram muitos gritos de Fora Temer!

O deputado federal afastado Eduardo Cunha também não foi poupado: “Eduardo Cunha quer controlar minha buceta”, gritavam em coro as mulheres.

Fotografia: Isis Medeiros / Jornalistas Livres
Fotografia: Isis Medeiros / Jornalistas Livres
Fotografia: Isis Medeiros / Jornalistas Livres
Fotografia: Isis Medeiros / Jornalistas Livres

Hoje elas mostraram união e força nas ruas.

Ainda na Avenida Afonso Pena, de onde saiu a marcha, todas deram as mãos e sentiram essa força. É uma força que não vai mais tolerar o machismo. Apesar de alguns motoristas não terem gostado da marcha pelas ruas e alguém jogar água nos manifestantes, pode-se dizer que sim, as mulheres hoje ganharam as ruas. E pretendem ganhar sempre.

photo_2016-06-01_23-36-57
Fotografia: Isis Medeiros / Jornalistas Livres

Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Jornalistas Livres

COMENTÁRIOS

POSTS RELACIONADOS

Recorde em SP: 48 mil pessoas vivem nas ruas

Um levantamento realizado por pesquisadores da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) mostra que 48.261 pessoas viviam nas ruas em São Paulo no ano de 2022, sendo o maior já registrado na capital paulista. No Brasil são quase 192 mil pessoas em situação de rua registradas no CadÚnico.