Polícia portuguesa agride brasileiras no carnaval de Lisboa

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Por Clara Luiza, de Lisboa , especial para o Jornalista Livres

A folia de carnaval em Lisboa terminou em agressão física por parte da PSP (Polícia Portuguesa) na noite do último domingo (23/02). Duas mulheres brasileiras foram agredidas de forma desproporcional por um grupo de agentes da polícia do serviço especial da capital portuguesa, ao lado da Estação do Cais do Sodré, ponto de encontro dos foliões após os cortejos de carnaval. O vídeo da agressão foi divulgado por uma das vítimas da ação brutal dos policiais.

Policia portuguesa ataca foliões no carnaval em Lisboa

A folia de carnaval em Lisboa terminou em agressão física por parte da PSP (Polícia Portuguesa) na noite de domingo. No vídeo é possível ver duas mulheres brasileiras sendo desproporcionalmente agredidas com cassetes por vários agentes policiais e até ouvir o disparo de um tiro lançado para o alto por parte de um deles. A agressão ocorreu no Cais do Sodré, região central de Lisboa, e, de acordo com a jornalista brasileira Tai Barroso, uma das agredidas identificada no vídeo, ela estava tentando impedir outra ofensiva desproporcional que já estava ocorrendo por parte da polícia, contra outra mulher imigrante, quando também começou a ser atacada com cassetes. O que motivou a agressão ainda não está claro, mas é certo que a abordagem bruta da polícia de Portugal é mais comum do que se divulga, principalmente quando em bairros periféricos de Lisboa e com imigrantes em Portugal.

Gepostet von Jornalistas Livres am Montag, 24. Februar 2020

Tai Barroso, editora do jornal lisboeta Rosa Maria, mora em Portugal há 2 anos e meio tenta proteger a mulher que estava sendo já violentamente abordada pelos agentes.  Os policiais, então, responderam de forma truculenta. Um deles usa o cassetete para imobilizá-las, joga-nas no chão e, no ápice da falta de controle por parte da equipe de polícia, um outro agente dispara um tiro para o alto, no meio dos foliões. A mulher que estava sendo agredida inicialmente prefere não ser identificada, mas em contato com Tai, revelou que sofreu uma fratura na cabeça e precisou ser suturada com seis pontos. Ela ainda afirmou que a violência foi gratuita e não houve nenhuma razão para que a polícia a agredisse.

a PSP se pronunciou ao jornal português Expresso admitindo que os agentes recorreram ao uso da força para deter uma mulher que, segundo eles, era suspeita de integrar um grupo que causou distúrbios no domingo na zona do Cais do Sodré. Em outras palavras, havia um grupo de foliões ocupando a rua do bar, onde ocorria a ressaca dos bloquinhos de Lisboa, quando a polícia tentou avançar com suas viaturas pela mesma rua e, impedidos pela multidão que ocupava a rua, partiram para a brutalidade.

Abusos por parte da PSP tem se tornado frequentes o suficiente para indicar a xenofobia e o racismo sistemático de Portugal.  Este não é o primeira vídeo de agressão por parte da polícia de portugal que é registrado na rua. Há pouco mais de um mês, no dia 19 de Janeiro, foi o caso de Cláudia Simões, mulher negra espancada por agentes da PSP que se tornou público. Cláudia foi espancada pela PSP em frente à sua filha de 8 anos, após ser insultada pelo motorista do ônibus de Vimeca, região do concelho de Lisboa. O que gerou toda a agressão foi o fato da filha ter esquecido o passe em casa. Depois de agredir, algemar e humilhar Cláudia, a PSP justificou a atitude brutal como “estritamente necessária para o efeito à resistência de Cláudia”.

Cláudia Simões mostra o rosto com hematomas após ataque da polícia portuguesa. Foto: Ana Baião / Jornal Expresso

COMENTÁRIOS

  • POSTS RELACIONADOS

    >