Ocupação Mauá celebra a vida, a cultura e o amor, apesar da ameaça de despejo

Fotos dos Jornalistas Livres

 

O edifício da rua Mauá, bem ao lado da Estação da Luz, no centro de São Paulo, é o lar e a moradia há 10 anos de cerca de 300 famílias sem teto. Crianças, mulheres grávidas, idosos convivem ali em harmonia, celebram alegrias e dividem as tristezas. Agora, este oásis de cultura, amor e resistência, bem no meio da cidade tão degradada, está ameaçado de desaparecer, por conta da ordem de despejo do juiz Carlos Eduardo Borges Fantacini, da 26ª Vara Cível.

O prédio onde fica a Ocupação Mauá passou mais de 20 anos completamente abandonado, apodrecendo por falta de uso.

 Em 2007, um grupo de famílias trabalhadoras, engajada no movimento por moradia digna, ocupou o edifício e deu novo sentido ao velho prédio. Em comum entre elas, estava a baixa renda e a incapacidade para arcar com os custos do aluguel, cada vez maiores, mesmo em imóveis de remotas periferias.

De lá para cá, foram inúmeros mutirões para a limpeza, reforma e conservação da habitação.

Neste sábado, 24/6, a ocupação abriu seu grande pátio comunitário para eventos e atividades culturais, num encontro que misturou muita música, poesia, grafite e teatro.

O festival foi uma celebração de amor, de luta e de união, mas também um apelo para que não se cumpra o decreto de reintegração de posse, que representa o fim do sonho de uma vida coletiva, sob um teto comum, das famílias que serão colocadas na rua.

Veja as fotos e o astral lindo da ocupação, porque…

QUEM NÃO LUTA TÁ MORTO!

 

#NenhumaOcupaçãoAMenos

CLIQUE SOBRE AS FOTOS PARA VÊ-LAS EM TAMANHO GRANDE

Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Jornalistas Livres

COMENTÁRIOS

POSTS RELACIONADOS

Sítio de Ricardo Nunes em São Paulo fica em loteamento irregular

Prefeito de São Paulo tem 13 lotes em Engenheiro Marsilac, na APA Capivari-Monos, mas apenas quatro estão em seu nome; De Olho nos Ruralistas iniciou série sobre o poder em São Paulo, “Endereços”, contando que ele não tem o hábito de pagar o Imposto Territorial Rural