Não existe democracia sem justiça

Gandhi reafirmava junto ao povo indiano seus valores de verdade e de não violência

Por Maria Lucia Erwin

O que fazer diante de uma justiça que promove a injustiça?

Uma “justiça” que se dobra aos ricos e bate nos pobres não é Justiça.

A decisão do TRF4, que rouba as esperanças do povo de voltar a viver melhor e recuperar os direitos usurpado pelos financistas não tem nada a ver com Justiça.

Quando o mercado festeja a injustiça travestida de Justiça, quem paga o pato somos todos nós, pois a intensões que se escondem atrás das cortinas e serão reveladas logo depois são a provação da Reforma da Previdência e a venda das riquezas do país ao capital estrangeiro.

Estamos diante de uma justiça que deseja calar o povo com brutalidade, assim como se fez  há mais de um século em Canudos, não deixando pedra sobre pedra.

Mulheres e crianças, seguidoras de Antônio Conselheiro, presas durante a guerra

Neste momento naturalmente nos perguntamos: devemos aceitar calados a injustiça? Podemos e devemos resistir ao Estado de exceção que nos impõe a cada dia mais gravemente, quando a lei é aplicada seletivamente contra os adversários dos donos do poder.

Não vamos reconhecer uma sentença que promove a injustiça e devemos, sim, seguir os passos de Gandhi rumo à desobediência civil.

A insurreição de Gandhi inspirou gerações de ativistas como Martin Luther King e Nelson Mandela

Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Jornalistas Livres

COMENTÁRIOS

Uma resposta

  1. Falo sobre desobediência civil desde os 15 anos de idade, tem que dar um choque 345KV nesses malandros.

POSTS RELACIONADOS

Que tipo de profeta e sacerdote era Ezequiel?

Frei Gilvander Moreira¹ Para atender a orientação do Movimento Bíblico integrado por várias organizações bíblicas, em 2024, o livro de Ezequiel foi escolhido pela Conferência