​EXISTE MUITO MAIS COISAS EM JOGO ALÉM DAS CORES QUE VESTIMOS, NÃO É HORA DE DESATENÇÃO

O presidente Jair Bolsonaro posa para foto oficial.

Enquanto nós​ ficamos falando​ nas redes sociais​ ​sobre ​as cores​ azul ou rosa​, o​ presidente​ Bolsonaro quer mandar embora ​s​ervidor​es​ ​p​úblico​s, inclusive concursados​ por perseguição ideológica. Pretende-se privatizar até março toda malha ferroviária, a Infraero e os quatro maiores portos brasileiros.

Não estou diminuindo as preocupantes declarações da ministra da “família”, em especial por confundir ​o papel do ​Estado e​ da​ religião. Digo família em aspas, pois as mulheres e os direitos humanos, na gestão deste ministério, sem dúvidas ​estará em​ segundo plano.

Vamos pensar na totalidade: O ministro chefe da Casa Civil quebrou vários acordos que tange o pacto federativo​.​ O ministro da economia quer vender o Banco do Brasil. Para quê, para quem e quem ganha ou perde com isso? O Ministro da Justiça quer censurar o COAF que, inclusive, é um órgão importante no combate à corrupção​ na administração pública brasileira.​

Não ​pretendo​ me alongar no texto​ por ser uma breve análise de conjuntura​. Fato é que o governo eleito tomou posse a menos de uma semana​, ​porém​ o discurso da liberação das armas, de perseguição aos povos indígenas, ​a medida provisória que extingue os espaços de participação social, como o Conselho de Segurança Alimentar e Nutricional. ​Ou mesmo​ abandonar a pauta LGBT está em andamento mais rápido do que esperávamos.

Que tempos! Serão longos e duros anos entre o fascismo no poder e a luta popular contra o árbitro e o autoritarismo.

Por: Leonardo Koury Martins, especial para os Jornalistas Livres
Fotografia: EBC

Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Jornalistas Livres

COMENTÁRIOS

POSTS RELACIONADOS

Fontes, Falas e Alas

A disputa de narrativas e da opinião pública entre a ala militar, a ala ideológica e as dissidências pela direita e extrema direita no Brasil

Na medula do verbo

Na medula do verbo

Hoje, o Café com Muriçoca traz a recomendação de leitura da obra “Na medula do verbo”, de Michel Yakini-Iman.