Marcha denuncia escalada da violência na Maré

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Enquanto no ano de 2016 todo, 17 pessoas foram mortas em decorrência de operações policiais realizadas no Complexo da Maré; só nos 5 primeiros meses de 2017 já chega a 13 o número de moradores que perderam suas vidas durante essas operações brutais e ineficazes. Além disso, até o momento as crianças e jovens da Maré ficaram 11 dias sem aula e os moradores já contabilizam 17 dias de postos de saúde fechados, inclusive no dia da campanha de vacinação.

Em reação a essa situação inaceitável moradores, comerciantes, lideranças comunitárias e religiosas, organizações não-governamentais, representantes de órgãos públicos e artistas realizam na quarta-feira, dia 24 de maio, a Marcha Contra a Violência na Maré. O objetivo da marcha é exigir que o governo estadual apresente uma nova estratégia para garantir a segurança pública nesse território tendo em vista que a estratégia atual baseada em operações policiais violentas só tem trazido mortes, ferimentos graves e privação de direitos fundamentais como saúde e educação.

A marcha é organizada pelo Fórum “Basta de Violência! Uma outra Maré é possível” que contesta a falta de transparência, por parte do Governo do Estado, sobre os motivos desta atuação violenta nas favelas do Rio de Janeiro, em uma estratégia que se repete há anos sem resultados efetivos. Para se ter uma ideia, durante os quinze meses em que as Forças Armadas ocuparam o conjunto de favelas da Maré, foram gastos R$ 1,6 milhões por dia (R$ 600 milhões no total). Em contrapartida, entre 2009 e 2015, o investimento da prefeitura em programas sociais na região foi de R$ 303,63 milhões – metade do investimento realizado com a Força de Pacificação em um ano e três meses.

Diversos artistas como Maria Flor, Patrícia Pillar, Bruno Gagliasso, Rico Dalasam, Adriana Varejão, Camila Pitanga e Lázaro Ramos apoiam a marcha e muitos deles gravaram depoimentos que foram publicados na página do Fórum no Facebook.

Programação da Marcha:

13hs Concentração em dois pontos de encontro, um na Praça do Parque União e outro na Associação de moradores do Conjunto Esperança.
​15:15 Saída a partir dos dois pontos de encontro em direção à praça que fica na esquina entre a rua Evanildo Alves e a Rua Principal, na Baixa do Sapateiro, próximo à Lona Cultural Municipal Herbert Viana. Ao longo do percurso iremos passar por várias escolas da Maré e as crianças dessas escolas irão se incorporar à Marcha. Além disso ao longo do percurso também teremos uma intervenção artística liderada pela Cia. de danças Lia Rodrigues.
15:30 Chegada no ponto final da Marcha (esquina entre a rua Evanildo Alves e a Rua Principal
15:40 Leitura da carta-manifesto da marcha da Maré, fala do grupo de mães de vítimas de violações de Direitos Humanos e apresentação de músicas compostas por moradoras e moradores pedindo o fim da violência nas favelas do Rio.
17hs Encerramento da Marcha
Link do Google Maps e a imagem com o ponto inicial da Marcha –  Praça da comunidade Parque União na esquina da Rua Roberto da Silveira.
 
Link do Google Maps e a imagem com o ponto final da Marcha – na Rua Evanildo Alves sinalizado.

SERVIÇO:

Marcha Contra a Violência na Maré

QUANDO: dia 24 de maio, a partir das 13h

ONDE: Concentração na Praça do Parque União e em frente à Associação de Moradores do Conjunto Esperança

Boletim de segurança pública produzido pelo projeto Monitoramento de Operações policiais da Redes da Maré.

COMENTÁRIOS

POSTS RELACIONADOS

>