Jornalistas de MT sofrem ameaça de morte após editorial a favor da democracia

É certo que os ânimos estão acirrados e as posições políticas polarizadas. Mas existe um lado dessa disputa no qual os apoiadores de um candidato estão cada vez mais virulentos e já não se intimidam de usar o próprio telefone para ameaçar de morte jornalistas. Esse é o país que você quer para o futuro? Exigimos que a Associação Nacional dos Jornais, Federação Nacional dos Jornalistas, Associação Brasileira de Imprensa, Ministério Público, Sindicato dos Jornalistas, Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo, Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e TV, ordem dos Advogados do Brasil e todas as entidades do setor de comunicações, justiça e direitos humanos se manifestem urgentemente contra essa afronta à Liberdade de Imprensa, à vida e à dignidade dos profissionais do jornalismo.

Veja a seguir, matéria completa sobre a ameaça:

 

Jornalistas do Muvuca Popular sofrem ameaça de morte

Autor das ameaças usou um aplicativo de redes sociais para tentar amedrontar

Por: Redação

 

Por volta do meio dia desta quarta-feira (3), a equipe do site Muvuca Popular recebeu ameaças de morte via aplicativo de rede social, cujo número do marginal é (66) 8432-2994, e foi entregue à Polícia para Investigação.

Ainda não se sabe a motivação das ameaças, mas, de qualquer forma, o diretor geral do site, José Marcondes dos Santos Neto, registrou boletim de ocorrência (B.O.) na polícia civil e entrou com queixa-crime na delegacia do Cisc Planalto com pedido de medida protetiva aos profissionais.

A ameaça pegou toda equipe do site de surpresa e um clima de muita preocupação se instaurou na redação. Apesar disso, a reportagem ligou para o autor das ameaças no intuito de conversar e esclarecer a situação. Mas, o bandido não atendeu a ligação e respondeu enviando outra mensagem com mais ameaças, como mostram os prints.

O Muvuca Popular é um dos sites mais acessados de Mato Grosso e está no ar há 3 anos. É vencedor do prêmio GW100 de site revelação (2016-2017) e foi eleito, em 2018, um dos cinco melhores sites do estado. O editor que imprime uma linha crítica no site, também foi vítima de grampos clandestinos do governo, e chegou a conceder entrevista ao Fantástico. O resultado foi que a cúpula da Polícia de Mato Grosso e o primo do governador foram presos por grampear o jornalista e outras pessoas da sociedade.

É claro, que essa ameaça pode ser reflexo do momento político. No dia 25 de setembro, o site Muvuca Popular publicou um editorial intitulado “Acreditamos na Democracia, logo somos contra Bolsonaro”; em que se posiciona a favor dos direitos humanos, por defender a luta dos LGBTs e por denunciar qualquer forma de segregação: o racismo, o machismo, a xenofobia; portanto, contra a candidatura de Jair Bolsonaro (PSL).

Leia mais: EDITORIAL: Acreditamos na Democracia, logo somos contra Bolsonaro

Esse ano, o sentimento popular a respeito da eleição não é de esperança; é de ódio e de medo. Tem se falado muito em política, mas pouco sobre eleições, propostas, programas de governo e o que vai ser melhor para o Brasil. O descrédito da política e as péssimas condições de vida à qual a população está sendo submetida revelam um sentimento de frustração completo na democracia. A Corrupção, descrença nos candidatos e nos partidos, proporcionou o avanço da extrema-direita e o crescimento da ideia de um regime forte no país.

E, um dos grandes problemas de um ambiente hostil é que ninguém quer ouvir críticas ao seu partido/candidato. Criticar o comportamento facista de determinado candidato é interpretado como apoio, imediato, ao candidato do outro polo, demonizado como símbolo da corrupção pelos “donos” da mídia; como se a corrupção não fosse um problema estrutural decorrente de um sistema que favorece esse status quo.

Diante desse cenário, a liberdade de expressão e, muito particularmente, à liberdade de imprensa é logo ameaçada. Um comportamento recorrente, nessa campanha, daquele político populista, que se apresenta como defensor do povo, da família e das crianças; é tentar esmagar a credibilidade dos jornais, dando espaço para as ‘fake news’, principalmente, através das redes sociais, que dão acesso direto ao seu eleitor, tentando quebrar o intermédio da imprensa.

Não é difícil de identificar o grupo político que se enquadra nesse perfil. Quantos casos de ameaças, praticados por ‘eleitores’ desse grupo, já foram divulgados na imprensa durante essa campanha? Dezenas? Centenas?

Leia mais:  Mulheres denunciam ataques de eleitores de Bolsonaro 

Se a intenção das ameaças era intimidar, não vão conseguir. É por acreditar no papel fundamental da imprensa, que a equipe do Muvuca Popular não vai se deixar abater e vai defender sempre a pluralidade do pensamento, a democracia e a liberdade.

Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Jornalistas Livres

COMENTÁRIOS

POSTS RELACIONADOS

Recorde em SP: 48 mil pessoas vivem nas ruas

Um levantamento realizado por pesquisadores da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) mostra que 48.261 pessoas viviam nas ruas em São Paulo no ano de 2022, sendo o maior já registrado na capital paulista. No Brasil são quase 192 mil pessoas em situação de rua registradas no CadÚnico.