Inédita na América Latina, “Mandela em Cartaz” é atração em Curitiba

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

A arte gráfica para homenagear o líder da paz mundial, Nelson Mandela. Foi o que inspirou uma dupla de designers sul-africanos a criar, em 2013, um projeto para celebrar os 95 anos do ex-presidente da África do Sul.

O resultado desse projeto — um total de 95 obras originárias de todos os cantos do planeta — pode ser conferido na exposição “Mandela em Cartaz”, promovida pela Caixa Cultural em Curitiba, até 27 de setembro.

É a primeira vez que a mostra ocorre na América Latina. Depois da capital paranaense, a exposição segue para Salvador, também na Caixa Cultural daquela cidade, onde vai ficar aberta à visitação entre os dias 5 de outubro e 29 de novembro. A entrada, nos dois casos, é gratuita. Entre exposição física e apresentações virtuais, a mostra terá alcançado, até o final deste ano, 12 países, conforme informa o material de divulgação do evento.

Na exposição em Curitiba, além dos 95 cartazes, expostos no andar de cima da galeria da Caixa Cultural, o público confere, no pavilhão térreo, um painel estilo linha do tempo da vida de Mandela, e ainda livros e revistas, e em entrevistas em curtas-metragens.

Destaque, nessa seção, para o caderno no qual os visitantes — em especial as crianças — deixam suas impressões sobre a mostra. Por meios de desenhos ou frases, há mensagens de admiração por Mandela, outras em defesa da igualdade, e de repúdio ao preconceito e todas as formas de discriminação.

VISITA GUIADA E OFICINA

Durante o período em que “Mandela em Cartaz” vai estar em Curitiba, serão promovidas pelo menos duas visitas guiadas, com a curadora da mostra, Ruth Klotzel, e ainda uma oficina de confecção de cartazes. A primeira visita guiada ocorreu na abertura, no dia 18 de julho. A segunda está marcada para o dia 12 de setembro, às 16 horas.

Também para o dia 12 de setembro, no período da manhã, está marcada a oficina. De acordo com a gerência da Caixa Cultural em Curitiba, para participar é preciso se inscrever com antecedência, pelo e-mail [email protected]. As inscrições devem ser feitas até 2 de setembro.

SOBRE A EXPOSIÇÃO

Os mentores da mostra são os designers Jacques Lange e Mohammed Jogie. Em maio de 2013, às vésperas do aniversário de 95 anos de Nelson Mandela (18 de julho), a dupla promoveu uma espécie de concurso internacional de cartazes, que fossem desenhados especialmente para homenagear o líder mundial. Para isso, fundaram a Mandela Poster Collective, associada à Universidade de Pretoria.

Em dois meses de inscrição, a fundação recebeu em torno de 700 trabalhos, de pelo menos 70 países. Desses, foram selecionados os 95, de 37 países, para compor a coleção. A primeira exposição, na Universidade de Pretória, foi aberta em 17 de julho daquele ano. Nelson Mandela viria a morrer quase seis meses depois, em 5 de dezembro de 2013.

Os cartazes, em sua maioria, são carregados em cores; trazem elementos que fazem referência principalmente à luta contra o apartheid, contra a discriminação racial e pela igualdade de direitos. Alguns mesclam desenhos a imagens fotográficas — incluindo registros de Nelson Mandela mais jovem.

Até o final da primeira semana de agosto, em torno de 500 pessoas já tinham visitado a exposição. Boa parte do público tem sido formada por crianças e adolescentes, estudantes de escolas públicas de Curitiba e região, que vão ao local transportados pela própria Caixa Cultural, por meio do projeto “Gente Arteira”.

A Caixa Cultural em Curitiba fica no Centro da cidade, na Rua Conselheiro Laurindo, 280. A exposição fica aberta de terça a sábado, das 10h às 20h, e aos domingos, das 10h às 20h.

 

COMENTÁRIOS

POSTS RELACIONADOS

O MELANCÓLICO FIM DA LAVA JATO

ARTIGO Ângela Carrato, jornalista e professora do Departamento de Comunicação Social da UFMG Depois de embalar o sonho das “pessoas de bem”, que vestiram verde

Até quando vai o lawfare com Lula?

No mesmo dia em que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva é capa no jornal francês L’Humanité como um possível candidato ao Nobel da Paz, na terça-feira 29,

>