Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Por Aloísio Morais, especial para os Jornalistas Livres

Um ilustre cidadão está acompanhando as diversas competições das Olimpíadas sem que quase ninguém dê conta de sua presença. Trata-se, nada mais, nada menos, do simpático Edwin ‘Buzz’ Aldrin, aquele mesmo, o astronauta responsável pela pilotagem do módulo lunar Apollo 11 em 1969. No dia 20 de julho daquele ano ele tornou-se, por uma diferença de segundos, o segundo homem a pisar na superfície lunar. O primeiro foi Neil Armstrong. O terceiro membro da tripulação Apollo, Michael Collins, ficou na órbita da Lua e foi decisivo para o sucesso da missão.

13895083_389406351183248_7872423545909385132_n

Pois é, nesta terça-feira (9/8), Buzz Aldrin estava lá –na Barra da Tijuca– ao lado de amigos e torcedores norte-americanos. Na arena de atletismo, o homem de barbas brancas torceu por seus conterrâneos e, usando o Twitter, postou frases de incentivo aos atletas de seu país. E não conseguiu esconder sua empolgação quando o já lendário Michael Phelps conquistou mais uma medalha olímpica na natação.

Quando a equipe norte-americana de ginástica foi receber suas medalhas de ouro, o antigo astronauta, exultante, postou uma foto da cerimônia, de pé, batendo continência à bandeira e ao hino norte-americano. E a maioria dos brasileiros presentes ao evento não percebeu que estava bem perto do “homem que foi à Lua”.

Empolgado com tudo à sua volta, Aldrin fez questão de fotografar a apresentação da equipe feminina de ginástica e de mostrar fotos passeando de carro com amigos a caminho da Barra da Tijuca.

Bem-vindo, Aldrin!

Mas, nós, que descobrimos Aldrin no meio da arena, só conseguimos nos lembrar daquela célebre frase “Houston, We Have a Problem!”, enviada pelo astronauta Jack Swigert durante a viagem da Apollo 13 à Lua, em 11 de abril de 1970, com três tripulantes. É que nós estamos às voltas com um mega-problema… Após ouvir um estranho ruído, eles descobriram que um dos tanques de oxigênio havia explodido. Foi aí que Swigert avisou a base, em Houston, sobre o problema.

Bem, o resumo dessa história é o seguinte: os astronautas iam morrer, a esperança estava perdida. Mas, quase seis dias após a decolagem, a Apollo 13 mergulhou no Oceano Pacífico – próximo à ilha de Samoa. Os astronautas foram resgatados pelo navio Iwo Jima, que navegava a 6,5 km do local da queda. Todos se salvaram e o desastre foi evitado.

Quando vc pensar que o golpe já foi dado, pense na Apollo 13 (viu o número, né?). Todos se salvaram!

Fora Temer! Fica, Querida!

Legendas: Aldrin saúda a conquista de Phelps e ele, visto na viseira do capacete de Armstrong, durante a primeira visita do homem à Lua!

COMENTÁRIOS

POSTS RELACIONADOS

>