HADDAD É LULA

Reginaldo Lopes, deputado federal mais votado de Minas Gerais, afirma que o voto popular dará um não definitivo ao golpe

HADDAD É LULA

Após a farsa do impeachment de Dilma, prenderam e condenaram sem provas o melhor presidente de nossa história que, não à toa, é o líder de todas as pesquisas e, sem dúvidas, seria novamente morador do Palácio do Alvorada.

O que os algozes da democracia não sabem é que essa eleição sem Lula é impossível. Prendem um homem, mas não a sua história, o seu legado e a sua ideia. O povo já escolheu o Brasil de Lula de volta. E é Fernando Haddad quem representará esse projeto nessa eleição decisiva para a história do país.

O voto popular dará um não definitivo ao golpe, à perda de direitos, um não à fome que voltou vergonhosamente no país. O povo votará por mais empregos, oportunidades e por justiça; para Lula e para todos, afirmando seu direito de escolher, livremente, o seu representante.

À altura desse momento histórico, Haddad tem qualidades que nenhum adversário conseguirá discordar. Ponderado, ético e aberto ao diálogo, não faz política com ódio, não tem arroubos autoritários, é arrojado e compatível com as demandas do século XXI. Foi o melhor ministro da Educação da história do país, tendo sido responsável pelo Ideb, Prouni, pelo Sisu, pela expansão universitária, pelo Novo Enem e pela criação dos Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia (IF’s), gerando um novo patamar de acesso à educação. A população universitária quase triplicou, saltando de três em 2003 para oito milhões, em 2016.

Na prefeitura de São Paulo, foi inovador. Apostou na mobilidade urbana, com a expansão da malha cicloviária e dos corredores de ônibus. Enfrentou interesses poderosos e promoveu um verdadeiro avanço civilizatório, tendo sido reconhecido e premiado internacionalmente, além de ter entregado a gestão com R$ 6 bilhões de caixa, em meio a uma crise econômica. Está longe de ser um poste, como gostam de tentar desqualifica-lo. É uma luz, um farol ao fim desse túnel tenebroso do governo Temer.

O Brasil do golpe envergonha a todos. Temer e o PSDB governam para o mercado financeiro internacional, aumentam o desemprego e rasgam a Constituição e a Carteira de Trabalho. A candidatura de Fernando Haddad é a mais competitiva do campo progressista capaz de derrotar a pauta entreguista do golpe e o avanço conservador. A aliança com Manuela D’Ávila é a novidade da eleição. Juntos, formam o time de Lula e trazem novas e arejadas pautas para o debate político.

O programa Lula de governo, coordenado por Haddad desde o princípio, propõe uma reforma tributária justa e progressiva, a necessidade de diversidade na mídia, do respeito às diferenças, do enfrentamento às opressões e ao preconceito e da volta de uma política externa altiva e ativa, além do fim do criminoso congelamento de investimentos imposto pelos golpistas.

Engana-se quem acha que tiraram Lula da eleição. Ele será novamente julgado, desta vez pelo povo. Será julgado pelos mais de 22 milhões de empregos criados nos governos petistas. Por termos saído do mapa da fome da ONU, pelo salário mínimo ter tido um aumento real de 72% e por 36 milhões de pessoas terem saído da condição de miséria, enquanto 42 milhões chegaram à classe média.
O PT tem responsabilidade histórica. Chegou a hora de ganharmos essa eleição de volta para o povo brasileiro. Fernando Haddad é o nosso candidato e trará o Brasil de Lula de volta, para fazer o Brasil feliz de novo.

Lula livre, Haddad presidente!

*Reginaldo Lopes é economista e o deputado federal mais votado de Minas Gerais

Mídia democrática, plural, em rede, pela diversidade e defesa implacável dos direitos humanos.

Categorias
DestaquesEleições 2018Lula
Um comentário
  • Inácio da Silva
    13 setembro 2018 at 22:36
    Comente

    É incrível como esse Haddad aceita ser eminência parda nessa história…como um sujeito aceita fazer papel de boneco de ventríloquo…??? Vai despachar do presídio para poder tomar a bênção e receber as ordens in loco? ….Deus salve o Brasil de um invertebrado desse naipe…

  • Deixe uma resposta

    AfrikaansArabicChinese (Simplified)EnglishFrenchGermanItalianJapaneseKoreanPortugueseRussianSpanish