Evangélicos veem engano em messianismo anti-cristão

Ato de evangélicos contra Bolsonaro | Foto: Fernando Martins/Ponte Jornalismo

Por Isac Machado, evangélico e professor de Letras e teologia

Eu quero começar o domingo fazendo alguns esclarecimentos sobre umas coisinhas que ando percebendo que não estão ainda muito claras, especialmente, para minhas irmãs e meus irmãos de fé. Eu só quero ajudar mesmo. Vamos lá:

  1. Quando uma pessoa é homossexual e fala uma verdade, essa verdade continua sendo verdade. Da mesma forma, quando uma pessoa hetero e cristã fala, cria, compartilha uma mentira, ela continua sendo mentira.

RESUMO DO TÓPICO 1: Religião e sexualidade não canonizam nem demonizam. Caráter sim.

  1. Glenn Greenwald NÃO é um hacker. Ele é um jornalista conceituadíssimo em diversos países. Como jornalista, ele tem suas fontes. E assim como um padre precisa, a todo custo, proteger os segredos de confessionário, os jornalistas precisam, a todo custo, proteger suas fontes. Se a fonte é um hacker, não é função dele revelá-la, e sim da polícia. Aquela mesma polícia que ainda “não sabe” quem mandou matar Marielle e que preferiu não se aprofundar sobre a morte de Teori e que não conseguiu explicar o dinheiro do esfakeador desempregado de Juiz de Fora.

RESUMO DO TÓPICO: Jornalista e hacker não é a mesma coisa. Muitos “pastores” pouco sabem sobre segredo de “confessionário”, pois costumam utilizá-los como exemplos nos sermões de domingo.

  1. Pessoas cometem erros, inclusive nós, religiosos. Logo, decepcionamos e somos decepcionados. Mas quando religiosos se aliam a alguém que se autodeclara “especialista em matar”; a alguém que deseja, a todo custo, esmagar os já oprimidos, os empobrecidos, para beneficiar banqueiros e os mais ricos empresários, em troca de uma vaga no STF, de não taxação das igrejas, de conluio, de concessão de canais de rádio e tv, esses religiosos já não têm relação com Deus faz tempo.

RESUMO DO TÓPICO: Nem todo aquele que se diz pastor, bispo, apóstolo, semideus tem qualquer nível de aproximação com Deus e servem a Satanás. No domingo fingem adorar a Deus; de segunda a sábado prestam serviço público a Satanás com suas declarações e ações.

RESUMO DO RESUMO DO TÓPICO: Poucos pastores são do bem. Para identificá-los é bem simples. Se ele é Cristocêntrico, é PASTOR do povo de Deus. Se ele é dinheirocêntrico, bolsonarocêntrico, jumentocêntrico, ele tem vínculos diretos com Satanás, a quem representa, inserido entre o povo de Deus.

  1. A bancada evangélica NÃO está do lado da verdade. Confio na “bancada” LGBT. Embora lamente pelo autoexílio de Jean Willys, e embora tenha clareza de que o mesmo fez em um mandato muito mais que Bolsonaro em sete, considero-o um extremista e acho que o parlamento ganhou muito mais com David Miranda, seu substituto. Meu nível de confiança na bancada evangélica é zero. A bancada LGBT que não se declara “bancada LGBT” não está lutando apenas pela causa LGBT, e isso já faria deles e delas bons e boas parlamentares. A bancada evangélica que se declara “bancada evangélica” sequer luta pela causa evangélica. Limitam-se a “lutar” por si mesmos, pelo enriquecimento deles próprios; e para fazer uma cortina de fumaça, fazem uns monumentos à Bíblia por aí e uma marcha para Jesus da qual Jesus jamais participaria.

RESUMO DO TÓPICO: A bancada evangélica é hipócrita, corrupta, extremista, e seus membros, sem exceção que eu conheça, mantêm contato direto com o trono de Satã, a quem servem em tempo integral.

  1. Evangélicos, assim como todos os outros brasileiros, podemos ser de esquerda ou de direita. Não é essa a discussão. O que não podem é trocar Deus por Baalsonaro e adorá-lo descaradamente nos “templos de Deus”. Podem sim criar uma nova religião, e se o fizerem terão meu respeito. A maioria “evangélica”, que já não se identifica com os evangelhos, não deveria mais usar a “marca” do Cristo da cruz. Que se mudem para “bolsonélicos”, seguidores do evangelho segundo ustra; ou para “lucifélicos”, seguidores do evangelho segundo São Tanás, um evangelho mais brando que o de ustra. Mas que assumam o desvínculo com o evangelho de Jesus, que já não vivem faz tempo.

RESUMO DO TÓPICO: A maioria dos evangélicos não têm vínculo com os evangelhos de Jesus, mas também não têm coragem nem caráter para assumirem isso. Os poucos evangélicos que continuam vivendo os evangelhos sempre serão meus irmãos. Muitos deles nem fazem parte de uma igreja evangélica.

RESUMO DO RESUMO DO TÓPICO: Se alguém tem ódio no coração e sangue nos olhos não tem vínculo com Jesus.

Queridas e queridos irmãos, hoje é domingo, dia de orar por mim. Eu tenho corpo fechado, mas preciso renovar esse fechamento todos os dias. Obrigado.

Ato de evangélicos contra Bolsonaro | Foto: Fernando Martins/Ponte Jornalismo

 

Para a matéria original de onde foram reproduzidas as fotos acima, acesse https://ponte.org/o-amor-vai-vencer-o-odio-gritam-frentes-evangelicas-contra-bolsonaro/

Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Jornalistas Livres

COMENTÁRIOS

POSTS RELACIONADOS

Lula acerta na economia?

Até agora o governo Lula 3 se configura como independente e assertivo na área econômica. Pode-se dizer que fosse economista, o Lula atual seria um desenvolvimentista, keynesiano e heterodoxo.

Recorde em SP: 48 mil pessoas vivem nas ruas

Um levantamento realizado por pesquisadores da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) mostra que 48.261 pessoas viviam nas ruas em São Paulo no ano de 2022, sendo o maior já registrado na capital paulista. No Brasil são quase 192 mil pessoas em situação de rua registradas no CadÚnico.