Estudantes expulsam integralista de evento na USP

Por Eduardo Hegenberg e Cecília Capistrano Bacha, dos Jornalistas Livres

O presidente do movimento brasileiro que dissemina os ideais abertamente fascistas do integralismo, Victor Emanuel Vilela Barbuy, pretendia se apresentar na faculdade de Letras da USP em um simpósio sobre filologia, que estuda o desenvolvimento histórico das línguas e seus textos. O tema de sua fala, relacionado ao integralismo, não tinha qualquer ligação com o assunto do simpósio, por isso, os alunos da Letras e membros do movimento estudantil encararam a apresentação como uma provocação dos fascistas.

O orientador de doutorado de Victor Emanuel, na Faculdade de Direito da USP, é secretário-geral da USP e, assim como Victor Emanuel, membro da Opus Dei e possivelmente ligado ao integralismo, o que explicaria sua presença no simpósio, informaram estudantes que participavam do ato. Na página da Frente Integrista Brasileira (FIB) no Facebook, há menções a estratégia do movimento de “tomar os diretórios acadêmicos” das Universidades.

No início da fala de Victor Emanuel, cerca de vinte manifestantes entraram na sala onde ocorria o evento. Após um jogral que explicava o posicionamento dos estudantes, o grupo pediu ao presidente da FIB que se retirasse. Ele e os integralistas que o acompanhavam se recusaram a deixar a sala e, quando alguns estudantes se aproximaram, houve troca de agressões.

Para evitar que a situação piorasse, alguns alunos abriram um espaço entre os manifestantes para que os integralistas pudessem passar e forçaram a sua saída, empurrando-os. Deixaram a sala e o prédio da Letras acompanhados dos gritos e palavras de ordem dos manifestantes  “fascistas, não passarão” e “galinhas verdes” (nome dado aos antigos membros da Ação Integralista Brasileira pelos seus opositores). Foram seguidos em todo o trajeto até subirem em um ônibus em um ponto próximo. Se sentindo protegido, já de dentro do ônibus, Victor zombou dos estudantes exibindo o gesto integralista de inspiração nazista “anaue”, idêntico ao repugnante “heil hitler”.

O integralismo é um movimento de ultadireita originado na década de 30 em uma tradução brasileira do fascismo italiano, e com associações claras com o nazismo. Na sua página no Facebook, a FIB propaga mensagens sexistas, militaristas e anti-imigração.

De volta ao pátio da faculdade, em reunião para avaliar a ação, os manifestantes receberam um alerta de que teriam sido vistos skinheads circulando nas proximidades, e foram todos orientados a permanecer em grupo até deixarem o campus.

Assita ao vídeo da manifestação: facebook.com/jornalistaslivres/videos/646099028847311/

COMENTÁRIOS

POSTS RELACIONADOS

Vereadora Paolla Miguel (PT) é alvo de racismo Câmara de Campinas

O racismo não dá pra vocês o direito de falar o que querem. Racismo não é Liberdade de expressão. Racismo é crime. O PT repudia isso. Querendo ou não, vai ter mulher preta e periférica na Câmara debatendo. Essa elite branca que não sabe o que é ser mulher negra nessa país

Censura NÃO! Cuiabá luta pelo direito de ensinar e aprender

Enquanto berram nas redes por seu “direito” de mentir, ofender e ameaçar, grupos bolsonaristas contam com apoio explícito da Secretaria de Segurança para reprimir a liberdade de cátedra, constranger publicamente uma professora e “mandar recado” a quem não aceita a imposição reacionária

Alunos ganham tempo para deixar o Crusp

A Juíza Paula Michelrtto Comett, em audiência de conciliação virtual, decidiu que os moradores do Bloco D do Conjunto Residencial da USP (Crusp) não serão

>